Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Novo balanço eleva número de feridos em ataque para 123

Governo confirma quatro mortos, mas imprensa fala em mais duas vítimas fatais

Por Da Redação 13 dez 2011, 15h56

Mapa: Liège, Bélgica
Mapa: Liège, Bélgica VEJA

Subiu para 123 o número de feridos no ataque com armas de fogo e explosivos desta terça-feira, no centro da cidade belga de Liège (a terceira maior do país, que fica a 100 quilômetros da capital Bruxelas). Na estimativa anterior, divulgada no início da tarde, o governo belga confirmava 75 feridos, além de quatro mortos: o autor do atentado, que se matou em seguida, dois adolescentes, de 15 e 17 anos, e uma senhora de 75 anos.

Mas o número de vítimas fatais também pode ser maior, de acordo com a imprensa belga. O site do jornal Le Soir, de Bruxelas, indica a morte de mas duas pessoas que estavam internadas no hospital em estado grave – um jovem de 20 anos e um bebê de quase 2 anos. Os feridos foram distribuídos entre os hospitais da cidade e um posto médico instalado na própria praça.

Às 12h30 no horário local (9h30 no horário de Brasília), Nordine Amrani, de 32 anos, que mora na cidade, saiu de uma padaria e atirou três granadas contra um movimentado ponto de ônibus na praça Saint-Lambert, onde fica o Palácio de Justiça da cidade. Ele ainda usou uma arma para atirar contra a multidão, e se suicidou. “O autor agiu sozinho, possuía granadas e uma kalachnikov (fuzil). Atirou contra a multidão na praça Saint Lambert antes de se matar com uma granada”, detalhou o prefeito, Willy Demeyer, que conversou com o comissário-chefe da polícia belga.

Antecedentes – Amrani já era “conhecido da polícia”, acrescenta o prefeito, por envolvimento com drogas. Ele foi preso há três anos por porte ilegal de armas e por cultivar 2.500 plantas de maconha, crimes que lhe renderam uma pena de 58 meses de prisão. O criminoso não sofria de doenças mentais nem tinha ligação com terrorismo.

O carro de Amrani foi encontrado na praça escolhida para o ataque – o principal centro comercial de Liège, onde havia muitas pessoas no local no momento das explosões. O veículo será inspecionado pela polícia.

Reações – As principais autoridades belgas viajaram para Liège assim que receberam a notícia dos ataques. O rei Albert II e a rainha Paola se juntaram à delegação de ministros chefiada pelo premiê Elio Di Rupo, que comentou a tragédia em uma entrevista coletiva.

Ao lado da ministra do Interior, Joëlle Milquet, e da ministra da Justiça, Annemie Turtelboom, Di Rupo chamou o atentado de “ato horrível” e prestou solidariedade aos familiares das vítimas. “Não há palavras para expressar a tragédia. Nossos pensamentos vão para as vítimas inocentes desta tragédia e suas famílias e amigos, mas também a todos os presentes na cena. O país inteiro compartilharam sua tristeza”, declarou o primeiro-ministro.

A Bélgica recebeu mensagens de condolências dos principais países europeus. Em um comunicado do Ministério das Relações Exteriores britânico, o chanceler William Hague afirmou que “não pode haver absolutamente nenhum lugar para atos terríveis de violência como este em qualquer sociedade, e eu condenamos este ataque nos termos mais fortes”.

Continua após a publicidade
Publicidade