Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Nova rodada de negociações entre Moscou e Kiev acontecerá no fim de semana 

Rodada anterior, realizada em Belarus na quinta-feira, resultou em entendimento sobre corredores humanitários e proteção de civis

Por Caio Saad Atualizado em 4 mar 2022, 16h40 - Publicado em 4 mar 2022, 13h25

O presidente russo, Vladimir Putin, disse ao chanceler alemão, Olaf Scholz, que uma terceira rodada de negociações entre Rússia e Ucrânia foi marcada para este fim de semana, de acordo com uma transcrição divulgada por Berlim após um telefonema entre os dois chefes de Estado nesta sexta-feira, 4.

Durante o telefonema entre os dois mandatários, Berlim pediu para Moscou cessar todas as ações militares imediatamente, segundo um porta-voz do governo alemão.

Segundo o porta-voz, Scholz também ressaltou a necessidade de acesso humanitário a áreas onde o conflito é mais severo.

+ Putin sonha em repor Rússia no topo do poder global – mas cenário mudou

Na quinta-feira, representantes de Moscou e Kiev realizaram a segunda rodada de conversas. Apesar de terem terminado sem os resultados desejados, Mykhailo Podolyak, assessor da Presidência ucraniana, afirmou que as negociações renderam um entendimento sobre proteção de civis e sobre a continuação dos encontros diplomáticos.

Ao anunciar o fim da segunda rodada, Podolyak lamentou que “os resultados que a Ucrânia precisa não foram alcançados”, ressaltando que “há uma solução apenas para a organização de corredores humanitários”.

Segundo ele, a delegação ucraniana foi à reunião com três objetivos claros: um cessar-fogo imediato, armistício e a criação de meios para proteção de civis.

Continua após a publicidade

O chefe da delegação russa, Vladimir Medinsky, ressaltou os pontos discutidos e confirmou o entendimento sobre corredores para civis.

“Discutimos minuciosamente três pontos – militar, internacional e humanitário, e o terceiro é uma questão de uma futura regulação política do conflito. Ambas as posições estão claras e escritas. Concordamos em algumas delas, mas a questão principal que chegamos a um acordo hoje é a questão de resgatar civis que estão em uma zona de confonto militar”, afirmou.

Segundo ele, “os ministérios da Defesa russo e ucraniano concordaram em implementar corredores humanitários para civis e um possível cessar-fogo em áreas onde retiradas estão acontecendo”.

A primeira rodada de conversas, realizada por sua vez na segunda-feira, durou cerca de cinco horas e foi encerrada sem quaisquer avanços significativos.

A imprensa ucraniana afirma que a Rússia, além da não expansão da Otan para o Leste Europeu, teria exigido que a Ucrânia se comprometesse a documentar seu status de não integrar nenhum bloco e realizar um referendo sobre isso, reconhecesse as repúblicas populares de Donetsk e Luhansk, abandonasse a exigência da devolução da Crimeia a Kiev e promovesse o fim de “políticas nazistas”. Já a Ucrânia teria exigido um cessar-fogo imediato e a retirada das tropas russas do país.

No entanto, as tropas russas continuam agindo sobre a capital Kiev e outras regiões do país. As negociações não travaram o ímpeto russo de avançar sobre a Ucrânia nem fizeram os ucranianos pararem as tentativas de se aproximar cada vez mais da União Europeia para garantir sanções contra a Rússia e a participação no bloco.

Mais de 2.000 civis foram mortos desde o início da invasão russa à Ucrânia e centenas de estruturas, como instalações de transporte, hospitais, jardins de infância e prédios residenciais foram destruídos, relatou o serviço de emergência ucraniano na quarta-feira. De acordo com o último relatório militar russo, 1.502 alvos de infraestrutura militar ucraniana foram destruídos desde o início da operação militar na Ucrânia, em 24 de fevereiro. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)