Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

No meio da guerra, Putin aceita convite da Indonésia para cúpula do G20

Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky também foi convidado e disse ser grato pelo aceno, mas não deu certeza

Por Caio Saad Atualizado em 29 abr 2022, 11h10 - Publicado em 29 abr 2022, 10h45

Sob sanções de grande parte do Ocidente pela invasão à Ucrânia, o presidente russo, Vladimir Putin, aceitou um convite para participar de uma cúpula do G20 que acontecerá em novembro em Bali, Indonésia, anunciou o presidente indonésio, Joko Widodo, em comunicado nesta sexta-feira, 29.

“A Indonésia quer unir o G20. Não deixem que haja uma divisão. Paz e estabilidade são essenciais para recuperação e desenvolvimento da economia mundial”, disse Widodo em comunicado emitido por seu governo.

+ Guerra na Ucrânia: diálogo cada vez mais distante

Em março, durante cúpula da Otan, principal aliança militar ocidental, o presidente americano Joe Biden disse que a Rússia deveria sair do G20, grupo formado pelas dezenove maiores economias do mundo mais a União Europeia. Na época, a Indonésia, além de China, defenderam a permanência da Rússia no grupo, citando a importância história do país e o fato de “nenhum membro ter direito de expulsar outro”.

O convite também foi estendido mais cedo nesta semana ao presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que em suas redes sociais disse ser grato pelo aceno, mas não especificou se pretende participar da cúpula.

Durante esta semana, Widodo já havia conversado com os dois líderes em teleconferências distintas, nas quais disse ter relembrando Putin sobre a importância de encerrar a guerra na Ucrânia “imediatamente” e o desejo da Indonésia de contribuir para uma resolução pacífica.

Continua após a publicidade

A Zelensky, o presidente indonésio ressaltou a prontidão de seu país para fornecer assistência humanitária. Diferentemente de países que anunciaram envio de suprimentos bélicos, a Constituição indonésia e princípios da política externa do país impedem assistência militar.

Na quinta-feira, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou que a guerra na Ucrânia ainda pode durar meses ou anos. Durante fala nesta quinta-feira, Stoltenberg também afirmou que aliados da Otan estão se preparando para ajudar as tropas ucranianas. Países como Estados Unidos, Holanda, França e Alemanha anunciaram recentemente que fornecerão armas e tanques para a Ucrânia.

+ Chefe da OTAN diz que guerra na Ucrânia pode se ‘arrastar por anos’

Na quarta-feira, 27, a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse que apoiará os militares ucranianos fornecendo “treinamento e manutenção”. O governo alemão também irá fornecer tanques antiaéreos para a Ucrânia, enquanto tenta driblar críticas de que estava mantendo uma postura cautelosa em relação à guerra.

“Fornecemos armas antitanque, Stingers e muitas outras armas sobre as quais não falamos em público”, disse a ministra das Relações Exteriores, que afirmou que não divulgaria todas as armas enviadas.

A secretária de Relações Exteriores britânica, Liz Truss, também pediu apoio ao Reino Unido para enviar aviões de guerra e outras armas para território ucraniano.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)