Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

No dia de Pentecostes, Papa faz apelo por unidade e compreensão

Por Da Redação - 27 maio 2012, 12h00

Cidade do Vaticano, 27 mai (EFE).- O papa Bento XVI fez neste domingo um apelo à unidade e à compreensão entre as pessoas, tarefas que considera difíceis apesar dos avanços tecnológicos que melhoraram as comunicações e das facilidades nos transportes que encurtaram distâncias geográficas.

Durante a missa pelo dia de Pentecostes realizada na basílica de São Pedro, no Vaticano, o pontífice disse que a Igreja tem que ser o ‘lugar da unidade e da comunhão na verdade’, em um momento no qual o mundo parece reviver a passagem bíblica da Torre de Babel.

‘Pentecostes é a festa da união, da compreensão e da comunhão humana. Todos podemos constatar como em nosso mundo, embora estejamos mais próximos uns dos outros com o desenvolvimento dos meios de comunicação e em uma era na qual as distâncias geográficas parecem desaparecer, a compreensão e a comunhão entre as pessoas é frequentemente superficial e dificultosa’, disse Bento XVI.

‘Ainda persistem disputas que, em não poucas ocasiões, levam a conflitos; o diálogo entre as gerações é custoso, e às vezes prevalece a contraposição; assistimos a fatos cotidianos nos quais parece que os homens se tornam mais agressivos e foscos; a compreensão parece muito trabalhosa e acaba sendo preferível permanecer no próprio eu, nos próprios interesses’, acrescentou.

Publicidade

O papa adverte que na sociedade atual se repete ‘a mesma experiência de Babel’, a passagem bíblica que ilustra um reino no qual os homens pensam ter tanto poder que até conseguiriam abrir seu próprio caminho para o céu, mas não se dão conta de que o constroem uns contra os outros.

‘Com o progresso da ciência e da técnica, chegamos ao poder de dominar as forças da natureza, de manipular os elementos, de fabricar quase até o próprio ser humano. Nesta situação, orar a Deus parece algo superado, inútil, porque nós mesmos podemos construir e realizar tudo o que queremos’, declarou o papa.

‘Multiplicamos as possibilidades de nos comunicar, de termos informações, de transmitirmos notícias, mas podemos dizer que aumentou a capacidade de nos entender ou, paradoxalmente, talvez nos entendamos cada vez menos? Entre os homens não parece talvez circular um sentido de desconfiança, de suspeita, de temor recíproco, até nos tornarmos, inclusive, perigosos uns para com os outros?’, questionou.

Bento XVI lembrou as palavras de São Paulo ao afirmar que a vida das pessoas está marcada por um conflito interior entre ‘os impulsos que provêm da carne e os que provêm do espírito’, e que não se pode seguí-los ao mesmo tempo.

Publicidade

‘Não podemos, de fato, ser ao mesmo tempo egoístas e generosos, seguir a tendência de dominar os outros e sentir a alegria do serviço desinteressado. Temos sempre que escolher que impulso seguir’, disse o papa. EFE

Publicidade