Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

No Dia da Mulher, 51 países terão uma ‘greve geral feminina’

No Dia Internacional da Mulher, 51 países se mobilizam para realizar uma paralisação mundial

Por Beatriz Magalhães 7 mar 2017, 20h23

Organizações de diversos países do mundo estão se preparando nesta quarta-feira para o movimento “um dia sem mulheres”. A iniciativa pretende mobilizar uma greve geral feminina: mulheres deixarão de praticar suas atividades profissionais, domésticas e sociais durante o Dia Internacional da Mulher.

“Nosso objetivo é fazer com que as pessoas reflitam sobre o retrocesso nos direitos das mulheres, e pressionem os governos para que tomem as devidas medidas”, disse ao site de VEJA Klementyna Suchanow, a organizadora do movimento International Women’s Strike – IWS (Greve internacional das mulheres, em inglês), composto por mulheres e coletivos feministas como Ni una menos, da Argentina, e o World March of Women (Marcha mundial das mulheres), dos Estados Unidos.

“Também queremos construir um senso de solidariedade entre as mulheres e transmitir o sentimento de que elas não estão sozinhas com seus problemas”, acrescentou.

Klementyna disse que quem não puder aderir à greve programada para acontecer em 51 países pode, por exemplo, programar uma pausa de uma hora no trabalho, além de boicotar empresas e estabelecimentos que fazem publicidade sexista. Cada região terá uma cor para demonstrar apoio ao movimento: a América Latina usará violeta, os Estados Unidos vestirão vermelho e a Europa, a cor preta.

Origem

O IWS é inspirado em protestos feministas de outubro de 2016. O principal deles, intitulado “segunda-feira negra”, ocorreu na Polônia, onde mulheres organizaram uma greve de 24 horas contra o projeto de lei que tentava introduzir a penalização do aborto. A princípio banalizado pelas autoridades, o movimento ganhou força e a lei acabou rejeitada pelo parlamento polonês.

Após o evento, as organizadoras da “segunda-feira negra” resolveram se associar a movimentos feministas de outros países para promover uma ação conjunta – daí a greve no dia 08 de março de 2017, sob o lema “Solidariedade é a nossa arma”. A ideia do “dia sem mulheres” conta também com o apoio das participantes da “Marcha das Mulheres” contra o presidente Donald Trump, movimento que levou milhares de pessoas às ruas de Washington, em janeiro deste ano.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)