Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Netanyahu diz que pode agir contra o Irã antes dos EUA

Primeiro-ministro afirmou que Israel tem "calendário mais curto" que o americano

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, advertiu neste domingo que o Irã está se aproximando “cada vez mais” da produção de uma arma nuclear e que Israel pode agir antes dos Estados Unidos para deter o país. Netanyahu afirmou que os iranianos estão construindo “centrífugas mais rápidas que os permitirão cruzar a linha a uma velocidade muito maior”, isto é, “dentro de algumas semanas”.

“Eles estão se aproximando cada vez mais da linha vermelha, embora ainda não a tenham atravessado”, afirmou Netanyahu à rede CBS News.

Leia também:

Leia também: Irã não faz arma nuclear em menos de 1 ano, diz Obama

O primeiro-ministro disse que Israel tem um calendário mais curto do que o de Washington, o que implicaria a possibilidade de ações unilaterais para acabar com o controverso programa nuclear iraniano. “Nossos relógios estão marcando um ritmo diferente. Nós estamos mais perto deles que os Estados Unidos. Somos mais vulneráveis e, portanto, teremos que solucionar esta questão de como deter o Irã, talvez antes que os Estados Unidos o façam”, disse.

O premiê também se mostrou cético em relação à possibilidade de mudança de postura do novo presidente iraniano, o clérigo moderado e ex-negociador nuclear Hassan Rohani, que assumirá o poder em 3 de agosto. “Ele critica seu antecessor (Mahmoud Ahmadinejad) por ser um lobo e ter a pele de um lobo. Sua estratégia será a de um lobo com pele de cordeiro, sorrir e produzir uma bomba”, afirmou Netanyahu.

O primeiro-ministro israelense pediu que os Estados Unidos deixem claro para Rohani que não permitirão que o Irã construa uma arma nuclear e que a força militar “esteja realmente sobre a mesa”. “Se as sanções não funcionarem, saibam que estamos preparados para realizar ações militares, é a única coisa em que prestarão atenção”, disse. O Ocidente defende que o Irã está desenvolvendo uma arma nuclear, enquanto Teerã insiste que seu programa tem fins totalmente pacíficos.

(Com agência France-Presse)