Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Nem, o traficante mais procurado do Rio, é preso escondido num porta-malas

Por Por Claire de Oliveira 10 nov 2011, 13h47

O traficante Nem, o mais procurado do Rio de Janeiro, foi preso na madrugada desta quinta-feira quando fugia da Rocinha escondido no porta-malas de um carro. Ele será transferido para uma prisão de segurança máxima, enquanto a polícia se prepara para ocupar a favela com uma Unidade de Polícia Pacificadora.

Antônio Francisco Bonfim Lopes, conhecido como Nem, de 35 anos, foi preso com outras 14 pessoas, entre elas traficantes e policiais que realizavam a escolta do chefe do tráfico.

A polícia afirmou que instalou uma base na Lagoa, em um dos acessos à Rocinha, e parou um veículo com os pneus furados, suspeito de carregar algo pesado no porta-malas.

“Um dos ocupantes do veículo se identificou como Cônsul da República Democrática do Congo e não queria deixar que o veículo fosse inspecionado, apelando para sua imunidade diplomática”, informou o comissário de polícia, Victor Poubel. Um segundo ocupante disse que era advogado.

Os policiais decidiram então escoltar o carro até a sede da Polícia Federal, mas o veículo parou no meio do caminho e seus ocupantes tentaram subornar os agentes com um milhão de reais.

“Chamamos reforço policial e o veículo foi inspecionado: no porta-malas encontramos o Nem. Ele saiu com as mãos para o alto”, acrescentou o comissário.

No carro, a polícia encontrou uma pistola, três carregadores, um laptop e munições, segundo o jornal Extra.

Na sede da Polícia Federal, Nem teve direito a uma ligação telefônica. Falou com a mãe, a quem tranquilizou e pediu que seus filhos fossem para a escola normalmente.

“Ele tem sete filhos, dois adotados, de três mulheres diferentes, e disse que, quando sair da prisão, voltará a ter uma vida normal”, informou Poubel.

Continua após a publicidade

Nem, ex-funcionário de uma empresa de telecomunicações, entrou no crime organizado sem querer depois de pedir dinheiro emprestado ao então chefe do tráfico da Rocinha, Lulu, para bancar o tratamento hospitalar de uma de suas filhas.

Para pagar sua dívida, começou a trabalhar para Lulu e posteriormente para Bem-te-vi. Quando este último morreu, assumiu o controle da Rocinha.

Entre os 14 detidos, está o braço direito de Nem, Anderson Rosa Mendonça, conhecido como Coelho, o ex-chefe do tráfico do complexo de favelas em Macaé, conhecido como Peixe, e cinco policiais que ajudavam e escoltavam os traficantes da favela, informou o comissário.

A polícia encontrou no interior dos carros dos traficantes uma dezena de pistolas, dois fuzis AK-47, um fuzil M-16, granadas de uso militar, carregadores, dinheiro (euros e reais), cordões e pulseiras de ouro, incluindo uma com a palavra “Jesus”, segundo o Extra.

A maioria dos detidos será transferida da sede da Policía Federal para o complexo penitenciário de Bangu.

O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, que está na Alemanha, parabenizou o êxito da operação e afirmou que a reconquista da Rocinha está perto.

“A data da ocupação será definida nos próximos dias em função do trabalho iniciado no dia 2 de novembro. Sem dúvida nenhuma, ela está perto”, disse Beltrame à Globo.

A Rocinha será a 19ª favela ocupada pelos policiais. A pacificação da favela vizinha do Vidigal acontecerá simultaneamente, segundo a imprensa e alguns moradores.

As autoridades do estado do Rio começaram em 2008 uma corrida contra o tempo para pacificar as favelas da cidade, controladas por traficantes e milícias, antes da Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Mais de 1,5 milhão de pessoas vivem nas mais de mil favelas cariocas, o que representa um terço da população total.

Continua após a publicidade
Publicidade