Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Negociações sobre Brexit são retomadas em meio a apelo por novo referendo

Acordo de livre comércio entre europeus e britânicos está no centro dos desentendimentos entre Theresa May e seus aliados conservadores

Por Da Redação
Atualizado em 16 jul 2018, 16h26 - Publicado em 16 jul 2018, 15h35

As negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) foram retomadas nesta segunda-feira (16), em Bruxelas, em meio a desentendimentos no gabinete da primeira-ministra britânica, Theresa May, sobre o tema. Os principais ministros responsáveis pela questão – de Relações Exteriores, Jeremy Hunt, e do Brexit, Dominic Raab – não liderarão as conversas, segundo jornal The Independent.

Desafiada por seu ex-ministro da Educação, Justine Greening, a convocar um novo referendo sobre a saída do Reino Unido do bloco europeu, May imediatamente reagiu. “Em nenhuma circunstância”, disparou um porta-voz de 10 Downing Street.

Na semana passada, o governo de May apresentou seu novo plano para a relação econômica do Reino Unido com a União Europeia (UE) a partir de abril de 2019, quando a saída do bloco será efetivada. O texto prevê a adoção de um acordo de livre comércios de bens entre os dois lados e, por esta razão, foi atacado por membros de seu gabinete e pela base de seu partido, o Conservador.

Dois de seus principais ministros – Relações Exteriores, Boris Johnson, e para o Brexit, David Davis  – desencadearam uma crise na semana passada, ao renunciarem por serem contrários ao plano. Em especial, ambos se opunham ao acordo comercial com os europeus. Foram substituídos com rapidez por May, mas a crise em torno do Brexit ainda persiste.

Na mesma linha, Greening classificou o documento proposto por May como “as piores de todas as palavas”. Ele tende a ser seguido, em seu apelo por um segundo referendo, por outros parlamentares da base política da primeira-ministra, segundo o jornal Financial Times.

Continua após a publicidade

O documento proposto por May sugere o acordo comercial com a União Europeia. A medida seria meio de evitar a retomada de conflitos na fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte. Também propõe novos arranjos institucionais para monitorar a nova parceria e resolver disputas. Acordos comerciais com outros parceiros, como os Estados Unidos, estaria entre as prioridades de Londres nessa área.

Nesta segunda-feira, May acatou quatro emendas ao texto para evitar uma rebelião entre os parlamentares conservadores e, consequentemente, um abalo definitivo na estrutura de seu governo. As medidas serão apresentadas hoje à Câmara dos Lordes, segundo o jornal The Guardian.

As negociações em Bruxelas devem ser concluídas até a quinta-feira. No dia seguinte, os ministros de Relações Exteriores dos 27 países europeus  deverão deliberar sobre os resultados das conversas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.