Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Navio militar dos EUA se aproxima de ilhas chinesas e irrita Pequim

O governo chinês advertiu que 'responderá de maneira decidida a qualquer ação de provocação'

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h22 - Publicado em 27 out 2015, 06h57

Um navio contratorpedeiro com mísseis guiados da Marinha dos Estados Unidos navegou próximo às ilhas artificiais chinesas no disputado Mar da China Meridional nesta terça-feira, provocando uma firme repressão de Pequim, que disse ter alertado e seguido a embarcação americana. A presença do USS Lassen é o desafio mais significativo dos EUA até o momento aos limites territoriais de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) que a China impõe em torno das ilhas do arquipélago de Straptly, e poderia elevar as tensões em uma das rotas marítimas mais movimentadas do mundo.

Uma autoridade de defesa americana disse à agência Reuters em condição de anonimato que o USS Lassen fez o primeiro de uma série de exercícios de “liberdade de navegação”, com objetivo de testar as reivindicações territoriais chinesas. “A China decididamente irá responder às provocações deliberadas de qualquer país”, informou o Ministério das Relações Exteriores em nota, que não deu detalhes precisos sobre onde o navio dos EUA navegou.

Leia também

China inaugura parque com temática comunista

Ao lado do presidente chinês, Obama cobra mais liberdades civis na China

Continua após a publicidade

EUA avistam artilharia chinesa em ilha artificial na Ásia

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, disse posteriormente que caso os Estados Unidos continuassem a “criar tensões na região”, a China poderia concluir que precisaria “aumentar e fortalecer nossa presença” na região. “Pequim se opõe que um país utilize a liberdade de navegação e de sobrevoo como como pretexto para violar a soberania nacional da China ou seus interesses de segurança”, completou o porta-voz, antes de advertir que o governo “responderá de maneira decidida a qualquer ação de provocação”.

A China considera como águas territoriais a zona de 12 milhas náuticas que cerca estas ilhas, mas os Estados Unidos não reconhecem a reivindicação. O governo de Pequim reivindica direitos sobre quase todo o Mar da China Meridional, onde o país coordena grandes obras que estão transformando os recifes em portos, pistas e outros tipos de infraestruturas. EUA e os países do sudeste da Ásia temem que a China assuma o controle de uma das rotas marítimas mais estratégicas do mundo. Vietnã, Malásia e Brunei também reivindicam a soberania sobre o arquipélago Spratly, uma centena de pequenas ilhas e recifes desabitados.

Embarcações de dragagem chinesas vistas nas águas em torno do recife Mischief nas Ilhas Spratly, área disputada no sul do Mar da China
Embarcações de dragagem chinesas vistas nas águas em torno do recife Mischief nas Ilhas Spratly, área disputada no sul do Mar da China VEJA

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)