Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Navio com cerca de 350 passageiros afunda na Oceania

Mais de 190 pessoas já foram resgatadas; primeira-ministra australiana acredita em um alto número de mortos e chama acidente de 'grande tragédia'

Por Da Redação 2 fev 2012, 01h20

Uma embarcação de passageiros com cerca de 350 pessoas a bordo afundou nesta quinta-feira no litoral noroeste de Papua Nova Guiné, informou a imprensa australiana. A Autoridade Nacional Marítima do país afirmou que a tripulação do navio MV Rabaul Queen, da companhia Star Ships, enviou um pedido de auxílio no começo da manhã, quando navegava entre as localidades de Kimbe e Lae.

Sobreviventes – Equipes de resgate foram mandadas ao local e conseguiram resgatar até agora 193 sobreviventes do acidente. Participaram da operação oito navios que estavam nas proximidades do local, disse a porta-voz da Autoridade Nacional de Segurança Marítima da Austrália, Carly Lusk, à emissora de televisão australiana ABC. Até o momento, a autoridade não informou as circunstâncias do acidente e nem o que aconteceu com os outros náufragos, que, segundo a polícia de Papua Nova Guiné, são em sua maioria estudantes e aprendizes de professores.

A primeira-ministra australiana, Julia Gillard, disse a jornalistas em Melbourne queé provável que exista um alto número de mortos. “É claramente uma grande tragédia”, afirmou ela, que confirmou que seu país prestará assistência a Papua Nova Guiné. Aviões australianos de reconhecimento e resgate foram destacados à zona onde a embarcação afundou.

Um porta-voz da companhia Star Ship indicou que o naufrágio ocorreu cerca de 80 quilômetros ao leste da localidade de Lae. A empresa indicou que não pode confirmar o número exato de passageiros que viajavam na embarcação.

Costa Concordia – O acidente na Oceania acontece poucas semanas após a tragédia do Costa Concordia, transatlântico que afundou com mais de 4200 passageiros a bordo após bater em uma rocha junto à ilha italiana de Giglio em 13 de janeiro. Até agora, 17 mortes foram confirmadas.

(Com Agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade