Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

‘Não podemos mais tolerar isso’, diz Obama sobre tragédia

Para presidente, EUA devem mudar para evitar mais massacres como o que tirou a vida de 20 crianças e 6 adultos em escola de Connecticut na última sexta

Por Da Redação 17 dez 2012, 00h35

Discursando em uma vigília ecumênica em lembrança dos 26 mortos do massacre da escola Sandy Hook, em Newtown, no estado americano de Connecticut, o presidente Barack Obama afirmou neste domingo que os Estados Unidos devem mudar “para evitar novas tragédias” como a que tirou a vida de 20 crianças e seis adultos na última sexta-feira.

Leia também:

Atirador disparou centenas de vezes e ainda tinha muita munição

Mãe de atirador era apaixonada por armas

Senadores vão apresentar projeto para controle de armas

“Não podemos mais tolerar isso. Estas tragédias precisam acabar, e para por fim a isso precisamos mudar. Podemos fazer melhor. Se há ao menos uma medida que possamos adotar para salvar uma criança temos a obrigação de adotá-la”, afirmou Obama, que declarou ainda que os EUA têm a obrigação de cuidar de suas crianças, e “se não podemos fazê-lo bem, não podemos fazer nada bem”.

“Como podemos dizer, como país, que estamos cumprindo nossas obrigações?”, questionou. “Refleti nestes últimos dias e, para sermos honestos, a resposta é não. Não estamos fazendo o bastante”, considerou o presidente no ato realizado no instituto de ensino médio da cidade de Newtown.

Continua após a publicidade

Armas – Em meio à crescente pressão para os EUA adotarem um controle mais rígido da venda de armas, Obama lembrou que, desde que chegou à Casa Branca, é a quarta vez que vai a uma comunidade vítima de tiroteios, e que entre cada um deles aconteceu “uma série sem fim” de mortes por armas de fogo em todo o país, muitos deles afetando crianças.

O presidente admitiu que há “causas complexas” para a violência nos EUA, mas insistiu que não se pode aceitar como rotineiros os eventos como este. Obama prometeu que fará tudo ao seu alcance para evitar novas tragédias como a “violência indescritível” que ocorreu na cidade de Connecticut.

Saiba mais:

‘Pensei que todos íamos morrer’, diz professora que salvou alunos

Citando os nomes das 20 crianças entre seis e sete anos mortas no massacre, ele exortou todos a fazer com que o país “seja mais digno” em memória das vítimas, após transmitir aos familiares e amigos dos mortos “o amor e as orações” dos Estados Unidos.

Escola primária em Newtown, Connecticut
Escola primária em Newtown, Connecticut VEJA

(Com agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês