Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nada confirma autoria de atentado por grupo talibã, diz polícia

Por Da Redação
2 Maio 2010, 18h02

Não há nenhuma evidência que respalde a reivindicação por parte do grupo talibã paquistanês Tarik-e-Taliban do atentado frustrado na Times Square de Nova York, informou o chefe da polícia Raymond Kelly neste domingo.

“Ainda que um fabricante de bombas talibã tenha se responsabilizado na internet, não há evidências para respaldar esta versão”, disse Kelly aos jornalistas.

Em um vídeo divulgado na rede, o grupo talibã assume a responsabilidade pelo carro-bomba estacionado na Times Square, segundo o serviço SITE de monitoramento das redes extremistas na Web.

Introduzido no YouTube, o vídeo afirma que o atentado foi realizado em represália à morte recente de dois líderes da Al-Qaeda no Iraque e aos ataques de aviões sem piloto (drone) no Paquistão.

Continua após a publicidade

A polícia de Nova York evitou o atentado na noite de sábado ao desativar o carro-bomba estacionado próximo ao teatro onde é apresentado o musical O Rei Leão, na Times Square.

Os agentes, avisados da presença de um veículo suspeito, chegaram imediatamente ao local, fechando os acessos e retirando milhares de pessoas, antes de desativar a bomba.

Os investigadores analisam no momento dezenas de vídeos e impressões digitais tiradas do carro, que continha três bujões de propano, dois galões de gasolina, cabos elétricos e fogos de artifício.

Continua após a publicidade

South Park – O The Daily News afirmou que a polícia americana está investigando a possibilidade do atentado à Nova York estar associado ao seriado animado South Park. Segundo o jornal, o carro-bomba pode ser uma resposta a um episódio do desenho onde Maomé é caracterizado como um urso.

Na época, um grupo extremista ameaçou a produtora da série e também seus criadores, Matt Stone e Trey Parker. Os radicais islâmicos advertiram os responsáveis e disseram que eles poderiam acabar como Theo Van Gogh, caso o episódio voltasse a ser exibido no país. Van Gogh, um cineasta holandês, foi baleado e esfaqueado até a morte por um muçulmano, em 2004, que ficou irritado com um filme onde mulheres seguidoras do Islamismo apareciam como protagonistas.

O carro-bomba encontrado no sábado à noite na Times Square, em Nova York, aponta o jornal, estava estacionado próximo ao edifício da Viacom, empresa proprietária do Comedy Central, canal que transmite o desenho nos EUA.

Continua após a publicidade

(Com France-Presse)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.