Clique e assine a partir de 9,90/mês

Na Venezuela, 1,7 milhão de jovens não estudam nem trabalham

Somente 42% dos jovens entre 15 e 29 anos frequentam alguma instituição de ensino, aponta pesquisa sobre juventude feita pela Universidade Católica

Por Da Redação - 11 jul 2014, 10h13

A situação econômica e social da juventude venezuelana está longe do discurso oficial. Segundo pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Social da Universidade Católica, cerca de 1,7 milhão de venezuelanos com idades entre 15 e 29 anos não têm trabalho e nem frequentam escola ou universidade. Dos 7,6 milhões de pessoas nessa faixa etária, apenas 42% frequentam alguma instituição de ensino, afirma nesta sexta-feira ao jornal El Universal a coordenadora da Pesquisa Nacional da Juventude, Anitza Freitez. Entre os jovens da chamada geração ‘ni-ni’ (ni trabajan, ni estudian, ou, em português, não trabalham e nem estudam), há 900.000 que sequer completaram o ensino secundário.

A ampla pesquisa foi um esforço para preencher uma lacuna nos dados estatísticos venezuelanos, já que o último estudo semelhante foi realizado em 1993. Nos últimos 20 anos, a população jovem da Venezuela aumentou de 5,9 milhões de pessoas para 7,6 milhões, mas poucas foram as propostas de políticas públicas para atender as necessidades desse segmento da sociedade. De acordo com Anitza Freitez, os dados mostram que, embora nos primeiros anos do chavismo tenha havido expansão nas matrículas, isso não significa que os jovens consigam levar os estudos adiante.

Leia também

Venezuela: jornal crítico do governo é vendido a comprador não revelado

Continua após a publicidade

Novo apagão na Venezuela interrompe discurso de Maduro

Alvo de ex-aliados, Maduro critica ‘esquerda ultrapassada’

“Há uma enorme lacuna no acesso à educação. Há até 30 pontos percentuais de diferença entre os mais pobres e parcela mais rica em termos de frequência escolar”, explicou Anitza. Os jovens de famílias mais ricas possuem em média seis anos de estudo a mais que os mais desfavorecidos. No total, 1,3 milhões de jovens entre 20 e 29 anos que entraram numa faculdade, não conseguiram finalizar seus cursos. O fator geográfico também influencia na escolaridade dos jovens, pois a população das grandes cidades tem mais acesso às escolas e às universidades do que a população da zona rural ou de cidades pequenas.

A pesquisa também constatou que o impacto das missões do governo para melhorar as condições sociais da juventude foi “muito baixo”. A maternidade juvenil, por exemplo, ainda é um problema latente. De acordo com o estudo 15% das mulheres entre 15 e 19 anos já são mães. A maternidade aumenta para 45% no segmento de mulheres entre 20 e 24 anos. Anitza salientou que as garotas engravidam mais cedo em áreas rurais ou menos urbanizadas, e nas camadas mais pobres. O estudo ouviu 4.022 jovens que foram divididos em três faixas etárias, de 15 a 19 anos; de 20 a 24, e de 25 a 29.

Continua após a publicidade

A Venezuela enfrenta uma onda de protestos desde fevereiro devido à inflação, à falta de emprego e de produtos básicos – como papel higiênico, açúcar, farinha ou leite – e à altíssima violência que provoca em média 65 mortes por dia no país. Os protestos começaram com manifestações estudantis e depois ganharam o apoio da oposição e de outros setores da sociedade.

Publicidade