Clique e assine a partir de 8,90/mês

Na Ucrânia, eleição parlamentar é marcada pelo retrocesso

Organização critica abuso de recursos administrativos, falta de transparência da campanha, financiamento de partidos e desequilíbrio da cobertura da imprensa

Por Da Redação - 29 out 2012, 11h38

As eleições parlamentares da Ucrânia no domingo foram prejudicadas pelo utilização de recursos do estado na campanha e pela falta de transparência sobre como os partidos são financiados, afirmou nesta segunda-feira o grupo de monitoramento internacional Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Segundo a delegação, a cobertura da imprensa também pendeu para o lado do Partido das Regiões (PR), do presidente Viktor Yanukovich, que parece ter garantido a maioria parlamentar na votação.

Leia também:

Leia também: Filha de Tymoshenko fala em risco de ditadura na Ucrânia

“As eleições parlamentares de 28 de outubro foram caracterizadas pela falta de um campo de atuação nivelado, causado essencialmente pelo abuso de recursos administrativos, pela falta de transparência da campanha e do financiamento de partidos e pelo desequilíbrio da cobertura da imprensa”, afirmou o grupo em comunicado. “Certos aspectos do período pré-eleitoral constituíram um passo para trás, comparado às eleições nacionais recentes”, afirmou a OSCE, em uma referência à eleição da Yanukovich em fevereiro de 2010, que foi julgada como justa pelo Ocidente.

Para a OSCE, a impossibilidade de a opositora Yulia Tymoshenko – que está presa – disputar o pleito também “afetou negativamente” o processo eleitoral. De acordo com as pesquisas de boca de urna e os primeiros resultados da votação, o PR ganhou mais da metade dos 450 assentos da Assembleia, depois que o governo aumentou o salário do serviço público e ampliou medidas de bem-estar social para conquistar o voto de eleitores desiludidos em suas tradicionais bases de apoio. O governo enfrentará, no entanto, uma oposição revitalizada pelos nacionalistas ressurgentes e por um partido liberal liderado pelo campeão de boxe Vitaly Klitschko.

Ex-primeira-ministra, Yulia Tymoshenko iniciou uma greve de fome nesta segunda-feira para protestar contra o resultado das eleições. Segundo seu advogado, a ação é um protesto “contra fraude eleitoral”. “Essa não foi uma eleição, foi uma fraude eleitoral total”, disse Serhiy Vlasenko.

Tymoshenko foi condenada, em outubro passado, a sete anos de prisão, por abuso de poder ao forçar a aprovação de um acordo sobre gás com a Rússia em 2009. Ela negou qualquer irregularidade.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade