Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Marinha argentina diz que tripulantes do submarino estão mortos

Organização confirmou a declaração do ministro da Defesa, que afirmou em entrevista a TV que as 44 pessoas a bordo morreram

Por Da redação Atualizado em 5 dez 2017, 22h00 - Publicado em 5 dez 2017, 17h17

O ministro da Defesa da Argentina, Oscar Aguad, declarou na última segunda-feira ao canal argentino Todo Notícia que todos os tripulantes do submarino ARA San Juan, desaparecido desde o dia 15 de novembro, estariam mortos. A declaração foi corroborada nesta terça pela Marinha do país.

“As condições extremas do ambiente e o tempo decorrido são incompatíveis com a vida humana”, disse o político a respeito do pronunciamento de Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, sobre a suspensão das missões de resgates dos 44 tripulantes da embarcação. O jornalista que conduzia a entrevista questionou se a declaração do ministro significava que todos os submarinistas estavam mortos, ao que o oficial respondeu afirmativamente.

Em contato com VEJA, a Marinha da Argentina confirmou a morte dos tripulantes e declarou que o ministro Oscar Aguad é “a voz da Marinha” do país.

Confusão

Esta é a primeira vez que um alto oficial argentino diz publicamente que os marinheiros do ARA San Juan são considerados mortos — até então, o governo vinha se utilizando de sutilezas para evitar a palavra “morte”, apesar de haver declarado a suspensão da busca por sobreviventes desde o último dia 30.

A entrevista causou comoção e revolta entre parentes dos tripulantes do ARA San Juan, com familiares dizendo publicamente que o governo até agora não apresentou a eles provas concretas confirmando a morte dos marinheiros. A sociedade argentina passa, em grande parte, pela fase de negação do luto, exacerbada pela falta de evidências físicas que permitam o fechamento e a concretização da morte.

Área de buscas pelo submarino argentino ARA San Juan André Fuentes/VEJA.com

O ministro disse também que o capitão do submarino já havia reportado uma falha nas baterias do submarino em viagem anterior à data do desaparecimento, além de solicitar uma reforma da embarcação para 2018. O governo argentino vinha negando até então que o ARA San Juan houvesse tido problemas com as baterias antes do seu desaparecimento — a questão é significativa, pois avarias nas baterias foram reportadas no dia do sumiço da embarcação. Apesar de suspender a busca por sobreviventes, a Argentina continua tentando recuperar o submarino.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês