Clique e assine com até 92% de desconto

Suécia: a arriscada experiência do país na pandemia de coronavírus

Enquanto a Europa inteira se isolava, o governo não impôs restrições e deixou a critério da população manter o distanciamento

Por Julia Braun Atualizado em 22 Maio 2020, 09h36 - Publicado em 22 Maio 2020, 06h00

Citada como exemplo pelo presidente Jair Bolsonaro e por aliados de Donald Trump nos Estados Unidos, a Suécia decidiu tomar um caminho diferente no combate ao novo coronavírus. Não impôs quarentena, não fechou lojas e restaurantes e seguiu com o ano escolar, limitando-se a recomendar que os idosos ficassem em casa, que todos mantivessem a distância regulamentar de 2 metros e que não houvesse ajuntamentos de mais de cinquenta pessoas. Não há fiscalização nem punição de infratores. O obje­tivo era promover a imunização natural mais abrangente possível da população em curto prazo, tática contida no controvertido conceito de “imunidade de rebanho” — que o governo sueco, no entanto, rejeita e nega praticar. Agora, a conta chegou: na semana de 13 a 20 de maio, a Suécia registrou o mais alto número de mortos per capita do mundo, 6,08 para cada 1 milhão de habitantes. A taxa de mortalidade passa dos 12%, acima da dos Estados Unidos e da Espanha e muito superior à dos demais países da Escandinávia.

Com mais de 32 000 casos confirmados, a Suécia, na quinta-feira 21, contava quase 4 000 mortes, cerca de 30% acima da média do período em anos normais e até dez vezes mais do que os vizinhos escandinavos (veja no quadro ao lado). O país admite falha no cuidado com os idosos — mais da metade dos mortos acima de 70 anos estava em casas de repouso, despreparadas para lidar com a Covid-19. “Não prevíamos uma alta taxa de mortalidade. Calculamos que muitos ficariam doentes, mas as mortes foram uma surpresa”, disse o epidemiologista Anders Tegnell, à frente da resposta sueca à pandemia e uma espécie de Anthony Fauci — o americano que segura o ímpeto liberalizante de Donald Trump — às avessas. No entanto, a expe­riência mostra que, quanto menos controle, mais aumenta o número de vítimas. Os governos do Reino Unido e da Holanda também flertaram com a ideia de se limitar a restrições suaves no início da epidemia, mas desistiram diante do impacto social da escalada de contaminação e mortes.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

Até agora, o primeiro-ministro social-­democrata Stefan Löfven não deu sinal de que vá implantar maiores controles, confiante em que o acerto de sua estratégia vai ser observado no futuro, quando a pandemia tiver passado. “A vantagem deste sistema é que podemos mantê-lo enquanto durar a pandemia, sem necessidade de reaberturas bruscas. Também fica mais fácil apertar um pouco as regras se acontecerem novos surtos”, diz o imunologista Kjell Torén, professor da Universidade de Gotemburgo e um apoiador das medidas do governo — como, de resto, a maioria da população. Ajuda muito a evitar uma disseminação descontrolada do novo coronavírus o fato de a Suécia, diferentemente do Brasil, ser um país de pouco mais de 10 milhões de habitantes escolarizados e disciplinados, registrar uma baixa densidade populacional, ter um grande contingente de pessoas que moram sozinhas e contar com um excelente serviço de saúde. Mesmo com a desobrigação de cumprir quarentena rígida, um terço dos suecos optou por trabalhar em esquema de home office, a frequência nos restaurantes caiu 70% em abril (voltou a crescer com a subida da temperatura) e o transporte público tem sido menos usado.

  • As projeções do governo são de que 40% a 60% da população da Suécia terá os anticorpos contra o coronavírus até junho. Mike Ryan, diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), vê na imunização natural da população “um cálculo muito perigoso”, pelo potencial de mortes que carrega. O ex-primeiro-­ministro Carl Bildt chegou a recomendar que o epidemiologista Tegnell fosse amordaçado cada vez que se dispusesse a conceder uma coletiva à imprensa. Por sua vez, a premissa dourada de que menos restrições fariam reduzir o impacto econômico da pandemia também não está se confirmando nas estatísticas. O Banco Central da Suécia prevê para este ano um recuo no PIB da ordem de 7% a 10%, semelhante ao dos demais países da Europa. É melhor começar a procurar outro exemplo.

    Colaborou Amanda Péchy

    Publicado em VEJA de 27 de maio de 2020, edição nº 2688

    Continua após a publicidade
    Publicidade