Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Na China, doadores de esperma precisarão ser fiéis ao Partido Comunista

Demanda por sêmen para inseminação artificial cresceu muito após eliminação de política de filho único no país

A partir de agora não basta apenas possuir boa saúde para se tornar doador de esperma na China. Um novo requisito passa a ser essencial aos possíveis interessados: é necessário declarar fidelidade aos princípios do Partido Comunista (PC) chinês. É o que diz uma campanha lançada pelo hospital da Universidade de Pequim na rede social WeChat. A universidade apagou sua postagem inicial na rede nesta sexta-feira.

O jornal independente South China Morning Post revela, entretanto, que a campanha vai ainda mais além: os doadores devem ter “qualidades políticas favoráveis” como “amar a pátria socialista e abraçar a liderança do Partido Comunista”, além de deverem “ser leais às tarefas do partido, ser dignos, respeitosos à lei e estarem livres de problemas políticos”.

Às subjetivas regras somam-se requisitos objetivos, mas não menos curiosos: só pode ser doador quem tiver mais de 20 anos e não mostrar sinais óbvios de perda de cabelo, daltonismo e problemas de peso.

Segundo o jornal, esta é mais uma mostra do ímpeto do PC da China em estender seu controle a todos os aspectos da vida dos cidadãos.

Homens que não se sintam intimidados pela lista de requisitos terão ainda que passar por duas rodadas de testes — uma que verifique a qualidade de seu sêmen e outra checagem de saúde geral e do estado físico. Aqueles que passam pelos testes recebem 200 yuans (32 dólares) imediatamente, enquanto aqueles que efetivamente realizam a doação são recompensados com 5.500 yuans (870 dólares). Apesar do requisito político, não há clareza quanto a como a lealdade política dos doadores é testada.

Para a receber o pagamento é necessário que o voluntário realize cerca de dez doações ao longo de seis meses de forma a assegurar o fornecimento adequado para procedimentos de inseminação artificial. A demanda por esperma doado aumentou consideravelmente na China após Pequim revogar a política do filho único em 1º de janeiro de 2016

A China aprovou uma reforma legislativa que permite a todos os casais terem até dois filhos para combater o envelhecimento de sua população. Antes, essa possibilidade só existia para os casais que já vinham de casamentos de filhos únicos, camponeses e membros de minorias étnicas.

Estima-se que a política de filho único tenha evitado cerca de 400 milhões de nascimentos, causando desajustes na pirâmide demográfica da China, com envelhecimento da população e desequilíbrio entre o número de homens e mulheres.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Nova monarquia. Só de fidalgos.

    Curtir