Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mulheres comandam metade do gabinete de Scholz, novo premiê da Alemanha

Futuro primeiro-ministro confirmou nesta segunda-feira (6) os nomes finais do governo

Por Ernesto Neves Atualizado em 6 dez 2021, 19h40 - Publicado em 6 dez 2021, 19h07

Futuro primeiro-ministro da Alemanha, Olaf Scholz, de 63 anos, do Partido Social-Democrata, anunciou nesta segunda-feira (6) os nomes que vão compor seu gabinete.

Sucessor de Angela Merkel, que deixa o comando da Alemanha após 16 anos, Scholz dividiu as pastas igualmente entre homens e mulheres, como já havia prometido durante sua campanha eleitoral.

As mulheres deverão ficar com pastas cruciais da administração alemã, incluindo o Ministério do Interior, do Exterior e da Defesa.

De acordo com informações divulgadas pelo futuro governo, oito pastas serão ocupadas por mulheres, e oito, por homens.

Assim, o percentual de mulheres no comando de ministérios passa a ser o maior da história da Alemanha.

O futuro chanceler deve ser eleito pelo Bundestag, o Parlamento alemão, nesta quarta-feira (8). 

Continua após a publicidade

Isso porque a aliança entre sua legenda, o SPD, com o Partido Verde e o Partido Liberal Democrático possui a maioria das cadeiras.

Já o cargo de vice-chanceler deverá ficar com o presidente do Partido Verde, Robert Habeck, de 52 anos, que também comandará o ministério da Economia e Energia.

Candidata do Partido Verde ao cargo de premiê nas eleições de setembro, Annalena Baerbock, do Partido Verde, vai administrar o Ministério do Exterior.

Entre as missões que terá de empreender será equacionar tensas relações entre a Alemanha e a Rússia, com quem o país vem trocando farpas na questão do fornecimento de energia e a Ucrânia, país que vem sendo ameaçado de invasão por Moscou.

Com relação a China, a Alemanha tende a adotar um tom mais incisivo nas questões de direitos humanos e da situação de Taiwan.

Já ministério do Interior ficará sob o comando da social-democrata Nancy Faeser, de 51 anos. A política alemã afirmou que pretende se concentrar no combate ao extremismo de direita, definido por ela como maior ameaça à democracia existente hoje na Alemanha.

E a Defesa, por sua vez, será liderada por Christine Lambrecht, de 56 anos. Social-democrata, ela já trabalhou nos últimos dois anos de governo Merkel como membro do Ministério da Justiça.

Continua após a publicidade

Publicidade