Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Munição e alimentos da Rússia não durarão mais que 3 dias, diz Ucrânia

Segundo o Ministério da Defesa ucraniano, o estoque de suprimentos das tropas russas está próximo de acabar; a situação seria semelhante com o combustível

Por Da Redação Atualizado em 22 mar 2022, 12h08 - Publicado em 22 mar 2022, 07h52

O Ministério da Defesa da Ucrânia disse nesta terça-feira, 22, que o estoque de suprimentos das tropas da Rússia está próximo de acabar. “De acordo com as informações disponíveis, as forças de ocupação russas que operam na Ucrânia têm estoques de munição e alimentos para não mais de três dias”, afirmou em comunicado no Facebook.

Segundo as autoridades, a situação é semelhante com o combustível russo. A Ucrânia informou ainda que ao menos trezentos militares russos “se recusaram a cumprir a ordem de realizar hostilidades” na região de Okhtyrka, que fica a 350 quilômetros a leste da capital Kiev.

Já nas regiões separatistas de Luhanksk e Donetsk, a leste, o governo ucraniano diz que “o inimigo continua tentando avançar, mas sem sucesso”. A Rússia afirma, contudo, que obteve progresso nessas regiões.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou ainda que o país vizinho “usa seus próprios cidadãos como escudo humano” em Mariupol, cidade sob constante ataque, e comparou a situação com a ocupação nazista em Berlim em 1945. A invasão russa à Ucrânia chegou hoje ao 27º dia.

ZELENSKY FALA COM O PAPA E AO PARLAMENTO ITALIANO

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, informou em seu Twitter que conversou com o Papa Francisco nesta terça e pediu ajuda ao pontífice para mediar as negociações com a Rússia.

“Falei com Sua Santidade sobre a difícil situação humanitária e o bloqueio pelas tropas russas dos corredores de resgate. O papel mediador da Santa Sé para acabar com o sofrimento humano seria apreciado. Obrigado pelas orações”, afirmou.

Posteriormente, o político discursou para o Parlamento da Itália e disse que seu país está prestes a sobreviver à guerra com as forças russas e acusou Vladimir Putin de querer avançar para o restante da Europa. “Para as tropas russas, a Ucrânia é a porta da Europa, onde eles querem invadir. Mas a barbárie não deve passar”, pontuou.

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, falou ao parlamento que “a arrogância do governo russo bateu de frente com a dignidade do povo ucraniano, que conseguiu conter os objetivos expansionistas de Moscou e impor um custo enorme ao exército invasor”. Segundo a agência Reuters, Draghi disse que a Itália apoiaria a tentativa da Ucrânia de entrar na União Europeia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)