Clique e assine com 88% de desconto

Mulheres vão às urnas na Arábia Saudita pela primeira vez neste sábado

Eleições municipais também permitiram que pessoas do sexo feminino se candidatassem. País é um dos lugares do mundo que mais restringem os direitos da mulher

Por Da Redação - 11 dez 2015, 11h54

Pela primeira vez, as mulheres da Arábia Saudita poderão votar e ser votadas para cargos políticos no país. Isso acontecerá neste sábado, dia em que estão marcadas as eleições municipais no país, nas quais os cidadãos vão escolher seus representantes para as assembleias locais.

As mulheres representam apenas um em cada sete candidatos – que, ao todo, são em 7.000 e concorrem a 3.1000 assentos na assembleia. Além disso, o número de homens que se registraram como votantes (1,35 milhão) é mais de dez vezes o de mulheres que vão votar (130 637). Pelo menos duas ativistas, incluindo uma que faz campanha pelos direitos humanos, estão entre as dezenas de candidatos banidos do pleito.

O fato de as mulheres poderem votar neste sábado, porém, não significa que elas passarão a ter acesso aos mesmos direitos que os homens na Arábia Saudita. O país ainda proíbe que pessoas do sexo feminino dirijam ou viagem sem a autorização do marido, pai ou irmão, por exemplo. Durante os comícios, as candidatas têm de discursar atrás de uma divisória e devem ser representadas por parentes ou amigos do sexo masculino para, por exemplo, interagir com os apoiadores nas redes sociais.

Leia também:

Publicidade

Sauditas vão a tribunal antiterror por defenderem direito de dirigir

Mulher saudita decepa a mão de empregada doméstica que reclamou de maus tratos

Arábia Saudita: cabeleireiro é preso por cortar cabelo de mulheres

No entanto, mesmo as assembleias municipais tendo poderes limitados no país, a abertura do caminho para o engajamento político das mulheres pode, de alguma forma, dar início a uma mudança nas questões relacionadas à cidadania. A Arábia Saudita vive um momento de grandes desafios, entre eles uma guerra travada contra os rebeldes no Iêmen e a queda do preço do petróleo, que tem importância vital para a economia da região.

Publicidade

“Todo o mundo está falando sobre a participação das mulheres, mas não é só sobre isso – é sobre engajamento civil”, afirmou Rasha Hefzi, uma empresária de 38 anos que se candidatou a eleição, ao jornal britânico The Guardian. O slogan de sua campanha é “Nós começamos e vamos continuar”. Ela possui um perfil profissional no Twitter e em outras redes sociais, repletos de gráficos estilizados e comentários sobre seu comprometimento e vontade.

Sob o reino de Abdullah, o predecessor de Salman que morreu em janeiro, aconteceram algumas tímidas mudanças, mas que contribuíram para dar esperança às mulheres, como a abertura da candidatura para as assembleias locais. Contudo, existem barreiras criadas pelo islamismo e pelo wahhabismo – uma doutrina sunita puritana baseada na interpretação literal do Alcorão – que ainda fazem da Arábia Saudita um dos países que mais restringem os direitos das mulheres no mundo.

(Da redação)

Publicidade