Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mulheres são atacadas em passeata na Praça Tahrir

Grupo protestava justamente contra casos de agressões sexuais no Egito

Um grupo de homens se infiltrou em uma passeata feminina contra o assédio sexual, na Praça Tahrir do Cairo, e atacou sexualmente várias manifestantes, denunciaram testemunhas.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, egípcios iniciaram, em janeiro, sua série de protestos exigindo a saída do então presidente Hosni Mubarak.
  2. • Durante as manifestações, mais de 800 rebeldes morreram em choques com as forças de segurança de Mubarak que foi condenado por premeditar essas mortes.
  3. • Após 18 dias de levante popular, em 11 de fevereiro, o ditador cedeu à pressão e renunciou ao cargo, deixando o Cairo; em seu lugar assumiu a Junta Militar, que segue no poder até o fim das eleições.

Leia mais no Tema ‘Revolta no Egito’

A passeata, que contou com a participação de dezenas de mulheres e homens, havia sido organizada para denunciar casos anteriores.

O protesto aconteceu ao mesmo tempo em que uma manifestação maior, contra o premier do ex-ditador Hosni Mubarak, Ahmed Shafiq, candidato à Presidência.

Leia também:

Leia também: Egito chega a acordo para formar Assembleia Constituinte

Epicentro – As manifestações na Praça Tahrir, epicentro da revolta que tirou Mubarak do poder, têm sido marcadas por registros de agressões sexuais contra mulheres.

Os abusos ganharam notoriedade depois que a jornalista americana Lara Logan foi violentada na praça em 11 de fevereiro de 2011, dia da renúncia de Mubarak.

(Com agência AFP)