Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mulheres de opositores venezuelanos são recebidas no Itamaraty

Apesar de não ter conseguido uma audiência com a presidente Dilma, Mitzy Capriles, esposa de Antonio Ledezma, disse que deixa o Brasil 'esperançosa': 'Vamos seguir insistindo'

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 04h06 - Publicado em 8 Maio 2015, 04h47

Apesar de não ter sido recebida pela presidente Dilma Rousseff, a mulher do prefeito de Caracas Antonio Ledezma, detido pelo regime de Nicolás Maduro, afirmou que vai deixar o Brasil “esperançosa” sobre uma possível ajuda do governo brasileiro para resolver a situação dos presos políticos na Venezuela. Mitzy Capriles foi recebida por um integrante do Itamaraty na noite desta quinta-feira, em Brasília. Lilian Tintori, mulher de Leopoldo López, outro opositor preso na Venezuela, também participou do encontro oficial.

LEIA TAMBÉM:

Chavista chama senadores brasileiros de covardes

‘Não existe justiça na Venezuela’, diz mulher de opositor preso

A dupla veio ao Brasil como parte de uma série de viagens em busca de apoio internacional para a libertação de seus maridos e de outros opositores venezuelanos presos sem julgamento.

Continua após a publicidade

“Nós voltamos esperançosas e absolutamente conscientes. Afirmamos que o Brasil é determinante para resolver o problema político de nosso país. E é por isso que vamos seguir insistindo, por todas as vias possíveis, diplomáticas, sociais e políticas, para que o Brasil demonstre o seu caráter democrático ante essa situação”, disse Mitzy.

As mulheres de Ledezma e López foram recebidas no Itamaraty pelo chefe do Departamento da América do Sul, o diplomata Clemente Baena Soares. Durante a passagem pelo Brasil, elas também se encontraram com líderes da oposição e participaram nesta quinta de uma audiência na Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado. A comissão aprovou nesta semana uma moção de censura à Venezuela pelas prisões arbitrárias no país.

Dilma – Mitzy e Lilian pediram uma audiência com Dilma, mas a petista não recebeu as venezuelanas. A Presidência se limitou a enviar uma carta – assinada pelo chefe do gabinete pessoal da presidente, Álvaro Henrique Baggio – em que Dilma “agradece as iniciativas” da dupla e diz que o Brasil “procura incansavelmente uma solução para a crise” da Venezuela. A presidente não explicou por que não recebeu as duas. Segundo um auxiliar direto da petista, um eventual encontro de Dilma com Mitzy e Lilian poderia ser visto como uma “intromissão em assuntos internos” da Venezuela.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.