Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mulheres correm para colocar DIU nos EUA antes da posse de Trump

Americanas foram às redes sociais expressar preocupação sobre o futuro dos métodos contraceptivos no país após a posse do republicano

Por Da redação 14 nov 2016, 19h56

Dias após a vitória do republicano Donald Trump, com a companhia do vice ultraconservador Mike Pence, mulheres dos Estados Unidos iniciaram uma corrida para fazer a implantação do dispositivo intrauterino, o DIU. A razão da pressa é o medo que o novo governo dificulte o acesso a métodos contraceptivos no país e realize mudanças na regulamentação de planos de saúde.

Através de relatos nas redes sociais, mulheres incentivam umas às outras a procurarem seus médicos para a colocação do DIU antes do dia 20 de janeiro, quando Trump e Pence tomarão posse. O método, que tem 99% de eficácia, consiste na introdução de um dispositivo no útero e tem a vantagem de durar, em média, de 5 a 10 anos.

“Se você pode engravidar: tente colocar um DIU nos 70 dias em que você ainda pode”, escreveu uma americana no Twitter. “Feliz que coloquei um DIU que dura pelos próximos 12 anos”, relatou outra. Para as defensoras da opção, o método é uma garantia de evitar a gravidez até o fim do mandato de Trump.

De acordo com o diretor da Associação de Planejamento Familiar, Dr. Raegan McDonald-Mosley, ainda é cedo para registrar um aumento da implantação de DIUs como resultado da eleição. “Apesar de acreditarmos que os métodos contraceptivos estarão disponíveis e acessíveis para todas as mulheres na administração Trump, entendemos as preocupações reais das pessoas sobre perder acesso ao controle de natalidade”, afirmou, em comunicado.

Durante a campanha, Trump sugeriu acabar com a regulamentação da saúde proposta por seu antecessor, conhecida como Obamacare, que inclui a oferta gratuita de métodos contraceptivos. Outra preocupação das americanas diz respeito ao fato de Pence ser um dos grandes opositores ao aborto legalizado no país. Como governador de Indiana, chegou a aprovar uma lei que obrigaria mulheres a cremarem ou enterrarem fetos abortados.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês