Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mulher de refém britânico ameaçado faz apelo a terroristas

Barbara Henning pede que a vida do marido sequestrado seja poupada

Por Da Redação 20 set 2014, 23h02

A mulher do britânico que é mantido refém pelo Estado Islâmico fez um apelo aos terroristas neste sábado para que ele seja libertado. O motorista de táxi Alan Henning, de 47 anos, foi sequestrado quando participava de uma missão humanitária na Síria, como voluntário, em dezembro do ano passado.

“Alan é um homem pacífico, abnegado, que deixou a família e o trabalho para trabalhar em um comboio na Síria com seus amigos muçulmanos para ajudar os necessitados”, afirmou Barbara Henning, em uma mensagem divulgada pela chancelaria britânica.

“Quando ele foi levado, estava dirigindo uma ambulância cheia de comida e água para ser distribuída a qualquer um que precisasse. Eu rezo para que as pessoas que estão com Alan respondam às minhas mensagens e entrem em contato comigo antes que seja tarde demais”.

Leia também:

Dezenas de reféns turcos são libertados no Iraque

Continua após a publicidade

EI divulga vídeo com jornalista britânico sequestrado

EI ameaça os EUA em novo vídeo: “A luta só começou”

França inicia ataques aéreos contra Estado Islâmico no Iraque

Pai de dois filhos, Henning fazia sua quarta viagem à Síria quando foi levado pelos extremistas. Em imagens gravadas pouco antes do sequestro, durante uma parada na fronteira com a Turquia, ele falou sobre o que o motivava a fazer o trabalho: “Nenhum sacrifício que façamos se compara ao que eles enfrentam todos os dias”, disse, em declaração reproduzida pela rede BBC. O britânico era o único não muçulmano do grupo de voluntários, informou a CNN.

Há uma semana, ao divulgar o vídeo da decapitação de outro britânico, David Haines, os terroristas fizeram mais uma ameaça ao dizer que Henning seria o próximo a ser executado se os ataques contra os jihadistas continuarem.

Haines foi o terceiro refém a ser alvo da selvageria do Estado Islâmico, que usaram a gravação da decapitação como arma de propaganda para chocar e ameaçar governos estrangeiros. Antes dele, o carrasco de rosto coberto havia decapitado dois jornalistas americanos, Steven Sotloff e James Foley. A mãe de Sotloff também havia feito um apelo aos terroristas para que a vida do filho fosse poupada. Em vão.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)