Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mujica condiciona legalização da maconha ao apoio popular

Presidente uruguaio articula projeto com intenção de fragilizar a ação do tráfico

O presidente do Uruguai, José Mujica, declarou que a legalização da venda da maconha, um projeto que seu governo articula com intenção de fragilizar a ação do tráfico, só será implementada se a maioria dos uruguaios concordarem, informaram nesta quinta-feira fontes oficiais.

Ao fazer referência ao projeto de lei, o chefe de Estado, em declarações a jornalistas no departamento de Soriano, disse que se 60% do país não respaldar, a medida será renunciada. Segundo Mujica, o objetivo é fazer com que o país inteiro discuta “de maneira ampla e profunda” essa iniciativa. No último dia 20 de junho, o governo anunciou sua vontade de legalizar a venda de maconha como forma de combater o narcotráfico.

Segundo dados oficiais, o Uruguai possui cerca de 150.000 consumidores de maconha, a maioria jovem. Devido à ilegalidade, alguns deles acabam se aproximando da cocaína, que possui um poder de dependência muito maior e é apontada como a principal responsável pelo aumento da criminalidade.

Controvérsias – Além da legalização da venda, o governo pretende fazer um controle dos consumidores de maconha e, se necessário, encaminhar os usuários aos centros de reabilitação. No Uruguai, o consumo da maconha não é considerado crime, mas sua produção e comercialização, sim. A iniciativa da legalização da venda da maconha provocou controvérsias no país e no próprio governo, já que a coalizão governista de esquerda Frente Ampla (FA) não se mostrou a favor.

Entre os políticos que se opõem à medida está o vice-ministro do Interior, Jorge Vázquez, que é ex-diretor da Junta Nacional de Drogas e irmão do ex-presidente uruguaio Tabaré Vázquez (2005-2010). Vázquez também aparece como o possível candidato do FA à presidência nas eleições de 2014.

(Com agência EFE)