Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mugabe falta em audiência sobre corrupção pela segunda vez

Ex-presidente do Zimbabué deveria se explicar ao Parlamento sobre dinheiro perdido pela corrupção e o contrabando de diamantes

Por Da Redação 28 Maio 2018, 15h51

O ex-presidente do Zimbabue, Robert Mugabe, decidiu nesta segunda-feira (28) não comparecer, pela segunda vez, ao Parlamento para dar explicações sobre o desaparecimento de receitas da exploração de diamantes quando ainda ocupava o cargo de líder do país.

Derrubado do poder em novembro do ano passado por um golpe de Estado, Mugabe foi convocado pelo Legislativo na semana passada para explicar os 15 bilhões de dólares (55 bilhões de reais) perdidos pelo governo devido à corrupção e ao contrabando de diamantes.

O presidente da comissão parlamentar de Minas e Energia, Temba Mliswa, explicou aos jornalistas que não restou outra opção: convocou Mugabe para uma nova audiência, para fazê-lo se explicar sobre como o dinheiro sumiu.

Se o ex-presidente não se apresentar voluntariamente, avisou Mliswa, será preciso enviar policiais para forçar Mugabe, de 94 anos, a comparecer na audiência marcada para o dia 11 de junho. O líder da oposição, Roy Bennett, foi preso em situação similar em 2005.

Continua após a publicidade

“Ele não será julgado. Só queremos ouvi-lo, para que ele forneça todas as informações que puder compartilhar”, explicou Mliswa.

Mugabe havia sido convocado para falar ao Parlamento na última quarta-feira (23), às 9h da manhã. Porém, não apareceu. Mliswa, então, considerou que “9h poderia ser muito cedo para Mugabe”, por isso marcou  a audiência desta segunda-feira para às 14h do horário local (9h em Brasília).

Em 2016, Mugabe fez algumas declarações sobre a quantidade de dinheiro perdido pela corrupção e o contrabando de diamantes durante seu governo. O caso não foi aberto na época, porém, intrigou a oposição, que agora quer explicações. Ex-ministros e ex-funcionários do governo de Mugabe também foram ouvidos no Parlamento sobre o mesmo caso.

Mugabe, que chegou a ser preso pelo Exército do Zimbábue em novembro, anunciou a renúncia depois de 37 anos no poder naquele mês. Emmerson Mnangagwa, até então vice-presidente do país, assumiu o cargo e agora é o candidato do governo nas eleições de agosto.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)