Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MSF pede investigação independente sobre ataque a hospital de Kunduz

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) pediu nesta quarta-feira pela criação de uma comissão internacional independente de investigação para averiguar o bombardeio americano a um hospital do grupo em Kunduz, no Afeganistão. O MSF informou que a comissão, que pode ser criada por pedido de um Estado sob a Convenção de Genebra, deve reunir fatos e evidências dos Estados Unidos, do Afeganistão e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Só então o MSF iria decidir se apresentaria acusações criminais por perdas de vidas e danos, acrescentou. “Se deixarmos isso passar, estamos basicamente dando um cheque em branco para qualquer país em guerra”, disse a presidente do MSF Internacional, Joanne Liu, em entrevista coletiva a jornalistas em Genebra.

Leia também

EUA reconhecem que ataque a hospital do MSF ‘foi um erro’

Autoridade afegã diz que não havia talibã no hospital bombardeado

Ataque a hospital dos Médicos Sem Fronteiras mata 19. ONU fala em crime

“Não foi apenas um ataque ao nosso hospital. Foi um ataque às Convenções de Genebra. É intolerável”, disse Liu. O general americano que comanda a missão da Otan no Afeganistão admitiu na terça-feira que o hospital da MSF em Kunduz foi bombardeado no sábado “por um erro”. O diretor do Pentágono disse que lamentava a tragédia. Três investigações foram abertas – americana, afegã e da Otan – para estabelecer como foi adotada a decisão de bombardear o local.

(Da redação)