Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

MP italiano pede prisão preventiva de Schettino por risco de fuga

O ex-capitão foi condenado a 16 anos de prisão pelos crimes de homicídio culposo múltiplo, abandono da embarcação, naufrágio e por não ter informado imediatamente as autoridades portuárias sobre a fatal colisão

Por Da Redação 21 fev 2015, 16h53

O Ministério Público da Itália solicitou neste sábado a prisão preventiva de Francesco Schettino, capitão do navio naufragado Costa Concordia condenado há 10 dias em primeira instância a 16 anos de prisão pelo desastre, no qual morreram 32 pessoas.

Os promotores de Grosseto, onde foi realizado o julgamento contra Schettino, recorreram neste sábado da decisão dos juízes de não prendê-lo por considerar que a sentença não é definitiva. O Ministério Público alegou que o ex-capitão pode fugir e por isso deveria ser preso. A hipótese foi qualificada pelos juízes, no dia do anúncio da pena, em 11 de fevereiro, como “infundada”.

Apesar disso, a promotora Maria Navarro sustentou neste sábado que a “preocupação com a fuga de Francesco Schettino é fundamentada”, segundo a imprensa italiana. O fato que estimulou os promotores a recorrer da decisão foi uma recente reportagem televisiva na qual um jornalista, caracterizado como produtor, negocia com um suposto representante do ex-capitão sua participação no programa “A ilha dos famosos”.

Leia também:

Vídeo mostra capitão do Costa Concordia prestes a abandonar o navio

Continua após a publicidade

Capitão do Costa Concordia – quem diria – dá palestra sobre gestão de pânico

Schettino negou a informação e disse que não tem intenção de participar do reality show e nem possui um representante. Ele argumentou ainda que não designou “ninguém a desenvolver negociações surrealistas”.

O ex-capitão foi condenado a 16 anos de prisão pelos crimes de homicídio culposo múltiplo, abandono da embarcação, naufrágio e por não ter informado imediatamente as autoridades portuárias sobre a fatal colisão contra rochas na frente da ilha italiana de Giglio.

O naufrágio ocorreu na noite de 13 de janeiro de 2012, quando o Costa Concordia, no qual viajavam 4.229 pessoas, encalhou na frente da costa da Toscana. O acidente deixou 32 pessoas mortas e 64 feridas.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade