Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Moscou desbloqueará portos ucranianos se Ocidente flexibilizar sanções

Mais de 20 milhões de toneladas de grãos presos em silos na Ucrânia e o bloqueio de seus portos está contribuindo para uma crescente crise alimentar global

Por Da Redação 25 Maio 2022, 10h15

O vice-chanceler russo, Andrei Rudenko, disse nesta quarta-feira, 25, que Moscou permitirá que navios que transportam alimentos saiam dos portos ucranianos do Mar Negro em troca da suspensão de algumas sanções impostas à Rússia por sua invasão da Ucrânia.

Os portos ucranianos estão bloqueados desde que a Rússia invadiu o país em 24 de fevereiro, deixando mais de 20 milhões de toneladas de grãos presos em silos.

A Rússia e a Ucrânia respondem por quase um terço da oferta global de trigo. A Ucrânia também é um grande exportador de milho e óleo de girassol, e o bloqueio de seus portos está contribuindo para uma crescente crise alimentar global.

“Uma solução para o problema alimentar requer uma abordagem abrangente, incluindo a retirada das sanções que foram impostas às exportações e transações financeiras russas”, disse Andrei Rudenko, segundo a Interfax.

“Também exigimos a desminagem pelo lado ucraniano de todos os portos onde os navios estão ancorados. A Rússia está pronta para fornecer a passagem humanitária necessária, o que faz todos os dias”, alegou.

Na terça-feira 24, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, acusou Moscou de estar usando o impedimento às exportações de trigo como “arma de guerra” para pressionar a comunidade internacional.

Continua após a publicidade

Em seu discurso no Fórum Econômico Mundial nesta terça, von der Leyen convocou a comunidade internacional a se unir para combater o que chamou de “chantagem” de Moscou. Segundo a política alemã, o exército russo está confiscando grãos e máquinas em áreas da Ucrânia e bloqueando as exportações dos portos do Mar Negro, com objetivo de provocar repercussões globais.

Empregando uma tática semelhante ao corte do fornecimento de gás e petróleo aos países europeus, a Rússia estaria agora ameaçando o mundo com o fornecimento de alimentos, disse a presidente da organização europeia.

A Rússia está em contato com as Nações Unidas sobre o assunto, disse Rudenko, segundo outra agência de notícias russa, a RIA.

No entanto, o vice-chanceler também alertou contra qualquer possível escolta por navios ocidentais de embarcações ucranianas que transportam grãos, dizendo que isso “exacerbaria seriamente a situação no Mar Negro”.

Além disso, Rudenko negou que as forças russas estão roubando grãos dos portos ucranianos, acusação feita por uma série de veículos internacionais.

“Rejeitamos isso completamente. Não roubamos nada de ninguém”, disse.

A emissora americana CNN publicou fotos de satélite que supostamente confirmam que a Rússia está exportando grãos da Ucrânia através da Crimeia, a península ucraniana que Moscou anexou ilegalmente em 2014.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)