Clique e assine a partir de 9,90/mês

Morte de jovem negro por policial em Atlanta intensifica protestos nos EUA

Rayshard Brooks foi morto a tiros após resistir à prisão; caso levou a profunda comoção e causou demissão do agente e da chefe de polícia da cidade

Por Da Redação - Atualizado em 15 jun 2020, 11h33 - Publicado em 15 jun 2020, 11h20

Um novo caso de violência policial contra negros nos Estados Unidos despertou ondas de revolta em todo o país. Na última sexta-feira 12, um agente branco matou a tiros o jovem negro Rayshard Brooks em Atlanta, no estado da Geórgia. O policial, identificado como Garrett Rolfe, foi demitido, enquanto seu parceiro Devin Bronsan, que esteve envolvido em uma briga com a vítima, está em licença administrativa.

Rolfe tem 27 anos, a mesma idade de Brooks, que morreu ao ser baleado pelo policial, que estava no Departamento de Polícia de Atlanta desde 2013. O jovem foi morto a tiros na noite de sexta-feira no estacionamento de um restaurante de fast food, depois de resistir à prisão, lutando com os dois policiais brancos, tirando-lhes uma pistola de choque elétrico e tentando fugir, segundo o Gabinete de Investigação da Geórgia (GBI, sigla em inglês).

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

A polícia chegou ao local após receber um aviso de que um homem – Brooks -, estava “dormindo em um veículo estacionado em frente à janela” do restaurante, dificultando a retirada de alimentos de outros clientes, explicou o GBI. Um vídeo da câmera presa ao uniforme de um dos agentes, publicado neste domingo 14 pela polícia, mostra que os policiais conversaram por quase meia hora com Brooks antes do início do confronto.

Brooks, diante de policiais no estacionamento, permaneceu calmo, confirmou que havia bebido “uma bebida e meia” e colaborou com os policiais, pedindo que deixassem que estacionasse seu carro lá e caminhasse até a casa de sua irmã. Os agentes confirmaram que ele estava embriagado e Bronsan tentou colocar as algemas nele, mas Brooks se sacudiu e os três acabaram no chão, com a polícia avisando que eles lhe dariam um choque elétrico se ele resistisse.

Continua após a publicidade

Outro vídeo divulgado ontem pelo GBI mostra como Brooks, depois de retirar a pistola de choque elétrico e fugir dos agentes, estendeu o braço e aparentemente apontou esse objeto para Rolfe, que o perseguia. O policial então pegou sua arma e atirou em Brooks, que caiu no chão e foi levado para o hospital local, onde ele morreu.

A morte de Brooks, em meio a onda de protestos nos Estados Unidos por causa da violência policial contra negros, causou uma profunda comoção em Atlanta e levou ontem a demissão da chefe de polícia da cidade, Erika Shields.

O GBI pediu que o público “não se apressasse em tirar conclusões” sobre o que aconteceu, mas o caso Brooks intensificou a indignação nas ruas de Atlanta, que já estava protestando – como centenas de cidades do país – pela morte de outros negros em abordagens policiais, como aconteceu com George Floyd, no mês passado.

No final da noite de deste domingo, um grupo incendiou o restaurante em cujo estacionamento ocorreu a morte de Brooks e outros manifestantes bloquearam temporariamente uma rodovia, resultando em pelo menos 36 prisões, disse um porta-voz da polícia de Atlanta.

Continua após a publicidade

(Com EFE)

Publicidade