Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Morre mais um venezuelano ferido em confronto na fronteira com Brasil

Estima-se que ao menos seis pessoas tenham morrido e outras 300 tenham ficado feridas nos conflitos durante o último final de semana

Por Da redação - 2 mar 2019, 20h35

Mais uma pessoa ferida durante os protestos da última na semana na fronteira entre Venezuela e Brasil não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital de Boa Vista na manhã deste sábado, 2.

O indígena Rolando Garcia Martinez, de 52 anos, deu entrada no HGR (Hospital Geral de Roraima) no dia 22 de fevereiro. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde de Roraima, ele apresentava ferimento por arma de fogo que evoluiu para falência de múltiplos órgãos e não resistiu.

Rolando Martinez estava internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do HGR, sedado e respirando com ajuda de aparelhos. Ele foi o segundo ferido nos conflitos na Venezuela a morrer após receber atendimento em Roraima.

“Rolando é o sexto morto por tiros recebidos entre 22 e 23 de fevereiro. É o quarto indígena”, afirmou no Twitter o diretor da organizações de direitos humanos Foro Penal Venezuelano, Alfredo Romero.

Publicidade

O venezuelano estava entre os cinco indígenas feridos transportados ao Brasil na sexta-feira depois que soldados venezuelanos abriram fogo contra manifestantes de sua tribo em Kumarakapai, na região da fronteira com Roraima.

Os moradores da comunidade indígena tentavam manter aberta uma passagem da divisa com o Brasil quando foram atacados pelas forças leais a Nicolás Maduro. Uma mulher morreu no local e ao menos 12 ficaram feridas.

Ao todo, estima-se que ao menos seis pessoas tenham morrido e outras 300 tenham ficado feridas nos confrontos durante o último final de semana nas regiões fronteiriças da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia.

Desde a última quinta-feira 21, ao menos 22 venezuelanos deram entrada em hospitais brasileiros após ficarem feridos em conflitos na fronteira. Só no domingo, a clínica de Pacairama atendeu nove pessoas feridas por arma de fogo.

Publicidade

O governador Antônio Denarium decretou estado de calamidade na saúde pública do estado após o agravamento da situação.

A fronteira entre Brasil e Venezuela está fechada há nove dias. Denarium, contudo, disse que a divisa deve ser reaberta em breve.

O governador afirmou ter se reunido com uma comitiva formada por ministros venezuelanos e um forte apoiador de Nicolás Maduro, o governador de Bolivar, Justo Noguera, em Santa Elena do Uairén. Denarium, porém, não soube nominar os ministros, tampouco especificar se eram chavistas ou opositores.

Massacre

O Programa Venezuelano de Educação-Acação em Direitos Humanos (Provea) afirmou que Rolando Garcia Martinez, que trabalhava como guia turístico no sul da Venezuela, foi ferido por soldados da Força Armada Nacional Bolivariano, “responsáveis por um massacre”.

Publicidade

O Provea afirmou que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e o ministro da Defesa, Vladimir Padrino, são os responsáveis por liderar um massacre na fronteira com o Brasil, que terminou com seis mortos, quatro deles indígenas, e mais de 50 baleados.

Os soldados leais a Maduro responderam com violência à tentativa da oposição de tentar levar ajuda humanitária ao país, requisitada pelo autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó.

Até o momento, o governo da Venezuela não se pronunciou sobre o número de mortos ou feridos na região da fronteira com Roraima.

(Com EFE)

Publicidade