Clique e assine a partir de 9,90/mês

Morre Dom Eugênio Sales, arcebispo do Rio de Janeiro durante 30 anos

Por Da Redação - 10 jul 2012, 09h43

Rio de Janeiro, 10 jul (EFE).- O cardeal Dom Eugênio de Araújo Sales, arcebispo do Rio de Janeiro durante 30 anos, considerado por muitos anos o ‘homem forte’ da Igreja Católica no Brasil, morreu na noite desta segunda-feira em casa após sofrer um infarto.

O religioso tinha 91 anos e foi considerado o principal porta-voz do papa João Paulo II no país. A causa de sua morte foi um infarto agudo no miocárdio, por volta das 22h30.

Dom Eugênio Sales era arcebispo emérito do Rio e chegou a ter seu nome citado como candidato a papa. Seu velório acontece nesta terça-feira, na Catedral Metropolitana de São Sebastião. O sepultamento acontecerá amanhã à tarde, no mesmo local, segundo a arquidiocese do Rio de Janeiro.

O governo do Rio de Janeiro decretou luto oficial de três dias em todo o Estado, em homenagem ao religioso.

Continua após a publicidade

Sales foi nomeado arcebispo do Rio em 13 de março de 1971 pelo então papa Paulo VI, ficando no cargo até julho de 2001, quando se retirou por motivos de saúde, após ter completado a idade obrigatória para a aposentadoria.

Em seus últimos anos como arcebispo foi considerado líder da ala conservadora da Igreja Católica, por sua defesa incansável da doutrina no país.

Na sua trajetória, no entanto, chegou a ser apontado como ‘bispo vermelho’ após ter fundado numerosas comunidades de base e sindicatos rurais durante o regime militar. Pública ou secretamente, ajudou milhares de perseguidos políticos do Brasil e de países vizinhos. Também criou pastorais do episcopado voltado para presos, menores infratores e moradores de comunidades carentes.

Em maio de 2000, o Cardeal revelou que, entre 1976 e 1982, ajudou cerca de 5 mil perseguidos políticos do Cone Sul, em sua maioria argentinos, durante o regime militar brasileiro.

Continua após a publicidade

Dom Eugênio Sales contou que muitos deles foram hospedados em cerca de 80 apartamentos que a arquidiocese alugou para refugiá-los, enquanto outros obtiveram ajuda para se viajar para outros países. No entanto, o religioso garantiu que sua atuação era conhecida pelo regime militar e por agentes de inteligência de outros países que atuavam no Brasil.

O religioso nasceu em Acari, no Rio Grande do Norte, em 8 de novembro de 1920 e ingresso no seminário 16 anos depois. Foi ordenado diácono em março de 1943, se tornando sacerdote oito meses depois.

Em agosto de 1954, aos 33 anos, foi nomeado bispo titular de Tibica e auxiliar de Natal pelo papa Pio XII. Foi administrador apostólico da arquidiocese de Natal entre 1962 e 1964 e da arquidiocese de Salvador entre 1964 e 1968, quando assumiu como arcebispo titular de Salvador.

Um de seus irmãos, Heitor de Araújo Sales, também seguiu a carreira religiosa e atualmente é arcebispo emérito de Natal.

Continua após a publicidade

Dom Eugênio Sales foi o principal organizador das visitas que o papa João Paulo II fez ao Brasil em 1980 e em 1997. EFE

Publicidade