Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mordomo de Trump é investigado por insultar e ameaçar Obama no Facebook

Anthony Senecal afirmou que o presidente deveria ser enforcado e escreveu postagens contra Clinton, o Comitê Republicano e até Beyoncé

Um antigo e fiel mordomo de Donald Trump, pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, chamou a atenção do serviço secreto americano após publicar insultos e ameaças a Barack Obama no Facebook. Em seu perfil na rede social, Anthony Senecal, de 74 anos, postou uma série de publicações ofensivas ao presidente americano, que chama de “fraude queniana”, e defendeu que o Exército o enforque por traição. Além disso, afirmou que poderiam contar com ele para acabar com o democrata: “Até meu último suspiro vou ajudar a livrar a América desse governo infestado pela escória”. Em uma das postagens, o mordomo comentou que não fala por Trump: “Essa é a minha opinião, apenas!”, escreveu.

Senecal trabalhou para o bilionário por três décadas em sua propriedade no clube Mar-a-Lago, em Palm Beach, na Flórida. Em março, em entrevista ao jornal The New York Times, o mordomo disse conhecer Trump melhor do que ninguém, inclusive seu padrão de sono, preferências culinárias e como melhorar seu humor. Quando Senecal tentou se aposentar em 2009, o republicano o considerou insubstituível e o manteve como “historiador não-oficial” na propriedade, segundo o jornal The Guardian. Porém, a porta-voz de campanha de Trump, Hope Hicks, disse que o Senecal já não trabalha para o bilionário há alguns anos.

Leia também:

Trump e líder republicano sinalizam aproximação

Sanders vence prévia democrata na Virgínia Ocidental e Trump confirma mais votos

Na quinta-feira, o serviço secreto americano declarou que está “ciente da questão e vai conduzir uma investigação apropriada”. Rotineiramente, essas investigações envolvem um interrogatório da pessoa suspeita de ter feito ameaças a algum presidente ou outra autoridade.

Outros dos posts do mordomo, que foram revelados pela revista americana Mother Jones, se dirigiam a personalidades e políticos, como a pré-candidata democrata Hillary Clinton, chamada por ele de “Killery Clinton” (algo como “Clinton assassina”). No ano passado, Senecal também afirmou que membros do Comitê Nacional do Partido Republicano, que não apoiaram Trump no início da campanha, também deveriam ser enforcados e que a cantora Beyoncé poderia ser presa por “incentivar o terrorismo”.

Algumas postagens foram divulgadas em modo público, outras apenas compartilhadas com seus amigos, mas o mordomo confirmou a autoria de todas para a Mother Jones e disse que acredita no que escreveu. Em comunicado, a porta-voz de Trump disse que ele e sua equipe repudiam completamente os comentários direcionados à Obama e sua família.

(Da redação)