Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Morales presenteia papa Francisco com livros sobre a folha de coca

O presidente boliviano se encontrou com o pontífice antes de uma conferência do Vaticano sobre justiça econômica e social

O presidente da Bolívia, Evo Morales, deu de presente nesta sexta-feira ao papa Francisco livros sobre os benefícios das folhas de coca para a saúde e recomendou seu consumo. Morales se encontrou com o pontífice antes de uma conferência do Vaticano sobre justiça econômica e social. O pré-candidato democrata à presidência dos Estados Unidos Bernie Sanders também estava presente no evento.

“Estou tomando e me faz muito bem”, disse Morales ao papa. A folha de coca, matéria-prima para a fabricação da cocaína, é tradicionalmente mascada por comunidades andinas e ajuda a combater os efeitos da altitude. O pontífice, por sua vez, deu a Morales o medalhão de São Martinho de Tours e a recente exortação sobre a família “Amoris Laetita” (A Alegria do Amor). Francisco também lhe entregou um exemplar de O nome de Deus é Misericórdia, o primeiro livro do papa Francisco, publicado em fevereiro. Morales e Francisco conversaram durante 27 minutos na Biblioteca do Palácio Apostólico do Vaticano.

Leia também:

Fotos sensuais de ex-namorada de Evo Morales são divulgadas por jornais bolivianos

Ex-namorada de Evo Morales diz que foi drogada e recebeu ameaças na prisão

Governo boliviano volta atrás e afirma que filho de Morales com ex-namorada nunca existiu

O presidente boliviano aproveitou a ocasião para dar de presente um busto de madeira do líder indígena Tupac Katari e também entregar uma carta da Central Operária Boliviana (COB) e da Coordenadora Nacional pela Mudança (Conalcam), sobre as últimas manifestações da Igreja Católica em seu país. “Aqui o senhor tem a carta dos movimentos sociais e todo o material”, disse o presidente ao papa.

Morales tinha anunciado antes de sua chegada ao Vaticano que falaria com o papa sobre esse assunto, depois que em 1º de abril a Conferência Episcopal Boliviana alertou em um documento que o narcotráfico tinha entrado nas estruturas do Estado. O presidente rejeitou essas acusações.

(Da redação)