Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Monge budista Thich Nhat Hanh morre no Vietnã, aos 95 anos

Conhecido por liderar o movimento pacifista contra a Guerra do Vietnã, ele popularizou o budismo no mundo e só voltou a morar em seu país natal em 2018

Por Da Redação Atualizado em 27 jan 2022, 17h49 - Publicado em 21 jan 2022, 19h48

O monge budista Thich Nhat Hanh, um dos sacerdotes mais influentes do mundo em sua religião, morreu aos 95 anos, no Templo Tu Hieu, em Hue, no Vietnã. Segundo a organização da qual fazia parte, ele sofreu um acidente vascular cerebral em 2014 que o deixou incapaz de falar – ele só se comunicava por meio de gestos.

Pacifista e contrário à guerra em seu país, Hanh exilou-se na França no fim dos anos 1960, após percorrer os Estados Unidos no que classificava como uma missão de reconciliação. Tornou-se, assim, uma liderança no movimento que chamou de “budismo engajado”, a aplicação dos princípios budistas à reforma política e social.

Autor prolífico e fluente em inglês e francês, ele também viajou pela Europa, disseminando práticas ocidentais do budismo, incentivando a meditação e a atenção plena, que descrevia como “a energia de estar consciente e desperto para o momento presente”.

Após fundar centros de meditação e mosteiros budistas em vários países, em 2018, ele voltou para Hue, no centro do Vietnã, para viver seus últimos dias no Templo Tu Hieu, onde iniciou seu sacerdócio.

Ele escreveu dezenas de livros, dois dos quais foram traduzidos para o português pela atriz Odete Lara, uma seguidora de seus preceitos. Foram eles: “Caminhos para a Paz Interior” (clique para comprar) e “Meditação Andando: Gua para a Paz Interior” (clique para comprar), ambos lançados pela editora Vozes.

No início dos anos 1960, Hanh estudou na Universidade de Princeton e depois lecionou em Cornell e Columbia. Ele influenciou o movimento pacifista e incentivou Martin Luther King  a se opor à Guerra do Vietnã. Por isso, King o indicou para o Prêmio Nobel da Paz em 1967, mas o prêmio não foi concedido a ninguém naquele ano.

“Eu pessoalmente não conheço ninguém mais digno do que este gentil monge do Vietnã”, escreveu King ao Instituto Nobel na Noruega. “Suas ideias para a paz, se aplicadas, construiriam um monumento ao ecumenismo, à fraternidade mundial, à humanidade.”

Nascido Nguyen Xuan Bao a 11 de outubro de 1926, Thich Nhat Hanh entrou para um mosteiro budista, em Hue aos 16 anos. Após sua ordenação em 1949, ele assumiu o nome de Dharma Thich Nhat Hanh. Para seus seguidores, ele era conhecido como Thay, ou professor.

*As vendas realizadas através dos links neste conteúdo podem render algum tipo de remuneração para a Editora Abril

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês