Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Míssil da Coreia do Norte cai em zona econômica do Japão, diz Tóquio

Exército sul-coreano também denunciou lançamento de Pyongyang

Por Da Redação 2 out 2019, 02h37

Um míssil norte-coreano caiu na Zona Econômica Exclusiva do Japão na manhã de quarta-feira (horário local), disse o principal porta-voz do governo, acrescentando que não há relatos até agora de impacto em aeronave ou navios na vizinhança.

O secretário-chefe do gabinete, Yoshihide Suga, afirmou que um míssil caiu às 7h27 (horário local), enquanto outro caiu alguns minutos antes, fora da zona japonesa.

O Exército sul-coreano também denunciou o lançamento e afirmou que o teste de projéteis realizado pela Coreia do Norte nesta quarta-feira poderia ter incluído um míssil balístico a partir de um submarino (SLBM), o que seria o primeiro desse tipo desde agosto de 2016.

O Estado Maior Conjunto sul-coreano (JCS) disse em comunicado que detectou um lançamento às 7h11 (local, 19h11 de terça-feira em Brasília) saído do mar, ao nordeste de Wonsan, na costa oriental. “Estima-se que o projétil é da série Pukguksong e teria alcançado uma altitude máxima de 910 quilômetros e uma distância de 450 quilômetros”, declararam as autoridades de Seul.

Continua após a publicidade

A última vez que a Coreia do Norte testou um SLBM, uma arma que multiplica a capacidade de ataque de Pyongyang graças a uma maior mobilidade e dificuldade para detectar lançamentos, foi ao disparar o seu míssil Pukguksong-1, em 24 de agosto de 2016. O teste de três anos atrás foi feito na mesma região que o desta quarta.

A inteligência dos Estados Unidos e a Coreia do Sul investigam, por enquanto, as chamadas “especificações adicionais” do míssil, que voou para o leste e caiu em águas da Zona Econômica Especial do Japão (EEZ) e que pelas caraterísticas de voo poderia ser um novo SLBM com maior alcance.

A base de Sinpo, onde fica o principal centro de desenvolvimento da Coreia de Norte para esse tipo de projétil, fica a apenas 100 quilômetros ao nordeste da cidade litorânea de Wonsan, de onde se acreditava inicialmente que o lançamento havia sido feito.

É em Sinpo onde está sendo desenvolvido o novo batiscafo de Pyongyang, batizado de Sinpo-C pela comunidade de analistas de inteligência, que foi visto pela primeira vez em julho, quando Kim Jong-un o local.

Acredita-se que o Sinpo-C tem maior envergadura que o modelo Sinpo original, com o qual o regime de Kim disparou o Pukguksong-1 em agosto de 2016. Isso responderia à sua capacidade para levar vários projéteis balísticos, ao contrário do primeiro modelo, que carrega apenas um míssil.

(Com Reuters e EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês