Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Miss americana finge câncer por 2 anos e arrecada 30 mil dólares

Brandi Lee Weaver-Gates, de 24 anos, fazia a família levá-la a hospitais, raspou a cabeça e até andou de cadeira de rodas para comprovar a farsa

Por Da redação
Atualizado em 4 jun 2024, 21h59 - Publicado em 28 jul 2016, 13h59

Uma ex-miss do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, parecia viver uma dramática batalha contra o câncer, que durou mais de dois anos. A verdade, porém, é que Brandi Lee Weaver-Gates, de 24 anos, nunca esteve doente. A jovem confessou o crime e, nesta quinta-feira, foi condenada com uma pena de dois a quatro anos de prisão, quando disse ao juiz que forjou a doença para “chamar atenção”.

Tudo começou em março de 2013, quando a vencedora de diversos concursos de beleza e aluna da Universidade Estadual da Pensilvânia começou a contar para seus amigos e familiares sobre o falso diagnóstico. A jovem afirmava ter Leucemia Linfoide Crônica, um tipo de câncer com uma taxa de sobrevivência de 34,8%.

Aos poucos, a universitária começou a publicar mensagens em suas redes sociais, que foram desabilitadas desde a sua prisão. Segundo a imprensa local, ela chegou a publicar no Facebook a mensagem “Não acredito que já faz uma semana que descobri que estou em remissão! #tchatchaucâncer”. Ao sustentar uma elaborada mentira, a miss conseguiu arrecadar 30.000 dólares (98.000 reais) de benfeitores que queriam ajudá-la com o tratamento.

Leia também:
Jovem que fingiu ter câncer terminal para ir morar com a professora é condenada a 2 anos de prisão
Vídeo: Mulher atropela o namorado após descobrir que ele tem HIV
Mulher aparece no próprio velório e choca homem que encomendou sua morte: o marido

Durante a farsa, Brandi pediu que a irmã a levasse a diversos hospitais, incluindo algumas viagens de três horas ao John Hopkins, na cidade de Baltimore. Ela fazia sua família aguardar aflita de seis a oito horas para que fizesse “sessões de quimioterapia”, enquanto, na verdade, vagava pelo hospital.

De raspar a cabeça até andar em cadeiras de rodas, a jovem fez todo o possível para manter sua invenção. Em 2015, ela foi coroada Miss Pensilvânia em um concurso de beleza e recebeu atenção por ganhar a coroa enquanto batalhava contra doença. Um de seus amigos chegou a carregá-la durante uma corrida que ela dizia ter sonho de participar, para que pudesse cruzar a linha de chegada.

A trágica brincadeira acabou em agosto de 2015, quando a polícia recebeu uma denúncia anônima com suspeitas sobre a jovem. Ao conferir com os hospitais, todos afirmaram nunca terem visto Brandi. Agora, a miss terá que enfrentar a cadeia, devolver o dinheiro e abrir mão de seus títulos em concursos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.