Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Militares negam morte de ex-ditador Hosni Mubarak

A agência oficial egípcia Mena afirma que ex-ditador está 'clinicamente morto'. Tensão cresce com guerra de versões

Por Da Redação - 19 jun 2012, 20h10

O general Mamdouh Shahin, membro do Conselho Supremo das Forças Armadas do Egito, disse à rede CNN que o ex-ditador Hosni Mubarak não está ‘clinicamente morto’ conforme foi relatado pela agência oficial Mena, alimentando a guerra de versões sobre o estado de saúde do tirano e aumentando a tensão no país. De acordo com Shahin, Mubarak segue em “estado crítico”. Fontes militares ouvidas pela agência Reuters também negam que o ex-ditador esteja morto – disseram que ele estaria inconsciente, mantido por aparelhos.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, egípcios iniciaram, em janeiro, sua série de protestos exigindo a saída do então ditador Hosni Mubarak, que renunciou no dia 11 de fevereiro de 2011.
  2. • Durante as manifestações, mais de 800 rebeldes morreram em choques com as forças de segurança de Mubarak, que foi condenado à prisão perpétua acusado de premeditar e ordenar esses assassinatos.
  3. • A Junta Militar assumiu o comando do país após a queda do ditador e prometeu entregar o poder ao novo presidente, escolhido em eleição, até o dia 30 de junho.

Leia mais no Tema ‘Revolta no Egito’

Nesta terça-feira, a agência oficial Mena afirmou que Mubarak estava “clinicamente morto”. A morte cerebral teria ocorrido logo após ele sofrer um acidente vascular-cerebral (AVC) e uma parada cardíaca, segundo a imprensa estatal.

A informação foi veiculada em um momento de tensão no Egito, devido aos crescentes protestos contra o que os islamitas chamam de “golpe de estado” dado pelos militares, que dissolveram a Assembleia às vésperas do segundo turno das eleições presidenciais, as primeiras do pós-Mubarak.

Publicidade

A junta militar que sucedeu Mubarak no poder é frequentemente acusada de levar muito lentamente o processo de transição para a democracia, ou mesmo de não ter intenção de ceder o poder. O resultado oficial das eleições deve ser divulgado na quinta-feira. Até o momento, ambos os lados reivindicam a vitória.

Leia também:

Leia também: Mubarak diz que autoridades querem matá-lo na prisão

seu estado de saúde declinou

Publicidade

Mubarak foi condenado à prisão perpétua pelos crimes cometidos durante a repressão às revoltas que puseram fim a seu governo, no início de 2011, quando mais de 800 pessoas morreram.

Leia mais:

Leia mais: Agora é Shafiq que se declara vencedor da eleição egípcia

Publicidade