Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Milhares de sírios participam do funeral de vítimas de atentados em Damasco

Por Da Redação
24 dez 2011, 09h23

Cairo, 24 dez (EFE).- Milhares de pessoas participaram neste sábado do funeral realizado pelas 44 vítimas dos atentados cometidos nesta sexta-feira em Damasco, em cerimônia transmitida pela televisão oficial síria.

Outras 166 pessoas ficaram feridas nos dois atentados suicidas com carros-bomba cometidos nesta sexta em frente aos prédios da Segurança e da Inteligência na capital síria.

Os caixões, cobertos cada um pela bandeira síria, foram colocados no interior da mesquita de Al Amaui, na capital. Fora do local, havia uma aglomeração de milhares de pessoas, que gritavam palavras de ordem religiosas.

O clérigo Mohammed Said liderou a cerimônia e, durante seu discurso, culpou os representantes do Conselho Nacional Sírio (CNS) – principal órgão da oposição ao regime – pelos dois atentados de sexta. Ele mencionou o nome do dirigente opositor Borhan Golion.

Continua após a publicidade

‘Este é o presente que Golion e seus amigos dão à Síria, eles que insistem que a reforma venha nos braços dos inimigos do islã e da humanidade’, declarou Said.

Já o ministro de Assuntos Islâmicos sírio, Mohammed Abdul Sattar, afirmou que a Síria ‘nunca cede perante Estados Unidos e Israel, pois assim aprendeu do islã’, e leu uma nota conjunta do clero muçulmano e cristão no país.

‘Condenamos a conspiração que a Síria está enfrentando, que continua sendo negada pelos meios de comunicação hostis e pelas forças do mal que estão apoiando-a’, destaca o comunicado, no qual as forças religiosas também rejeitam o extremismo.

Continua após a publicidade

Nesta sexta-feira, o governo sírio responsabilizou a rede terrorista Al Qaeda pelos ataques e alertou sobre a escalada das operações dos grupos radicais islâmicos.

Já a oposição síria acusou diretamente o regime de Bashar al-Assad de estar por trás dos atentados, no que seria uma tentativa de desviar a atenção dos observadores da Liga Árabe, que chegaram ao país na quinta-feira para comprovar ‘in loco’ se as autoridades estão extinguindo a violência.

Desde que começaram os protestos populares em março passado, mais de 5 mil pessoas já morreram na Síria, segundo os dados mais recentes da ONU. EFE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.