Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Milhares de pessoas se manifestam na Cisjordânia por um Estado da Palestina

Por Por Hossam Ezzedine 21 set 2011, 14h21

Milhares de pessoas saíram de suas casas nesta quinta-feira nas maiores cidades da Cisjordânia em um ambiente festivo para apoiar o pedido de adesão de um Estado palestino à ONU.

As manifestações, convocadas por líderes palestinos da Cisjordânia, foram realizadas em Ramallah, sede da Autoridade Palestina, em Nablus e Hebrón, principais cidades do território, além de várias outras.

Aproximadamente 15.000 pessoas, incluindo muitos estudantes, concentraram-se em Ramallah, e outras milhares, em Hebrón, Belém e Jericó.

“Milhares de palestinos participam das manifestações”, declarou à AFP o porta-voz do serviço de segurança, Adnan Damiri, que afirmou haver 8.000 policiais nas ruas para “manter a calma e proteger os participantes”.

Em Gaza, apenas algumas dezenas de mulheres se manifestaram. Quando o movimento islâmico Hamas passou a administrar esta região, um acordo foi feito com o Fatah do presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, para que manifestações que possam acentuar as divisões entre os dois não fossem convocadas.

Em Ramallah, a multidão se reuniu na histórica Praça Manara, no centro da cidade, sob uma imensa bandeira com os dizeres “Campanha nacional pela Palestina, o 194º Estado”. A ONU possui atualmente 193 países membros.

Um grupo folclórico dançou músicas tradicionais e uma conhecida banda, a Al-Asheqeen, entoou uma canção chamada “Declarado”, referindo-se ao Estado Palestino.

“O povo pede a libertação da Palestina”, bradavam os manifestantes.

Continua após a publicidade

Em um palco, foi colocada uma cadeira celeste, cor da ONU, que simboliza o lugar que os palestinos esperam obter.

“Exigimos que o mundo reconheça nosso Estado, como prometido há mais de 60 anos”, proclamou a governadora de Ramallah, Leila Ghanan, referindo-se à resolução 181 de 29 de novembro de 1947, que prevê a criação de um Estado judeu e de outro árabe na Palestina.

Em Nablus, os manifestantes agitavam centenas de bandeiras nacionais e da “Campanha Palestina 194”, além de fotografias do falecido líder histórico Yasser Arafat.

Na multidão, religiosos muçulmanos, sacerdotes cristãos, representantes da pequena comunidade de samaritanos da Nablus e vinte membros do movimento judeu ultra-ortodoxo e anti-sionista Naturei Karta.

Abbas apresentará na sexta-feira o pedido de reconhecimento de um Estado Palestino como membro permanente da ONU, baseado nas fronteiras de 1967, que incluem a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental..

O porta-voz da Presidência palestina, Abil Abu Rudeina, afirmou à AFP que “o fim da ocupação de Israel e o reconhecimento do Estado Palestino é o único caminho para a paz no Oriente Médio”. Esta declaração foi uma resposta ao presidente americano Barack Obama, que se pronunciou na ONU dizendo não existir nenhum atalho para resolver o conflito de Israel com a Palestina.

“Aceitaremos retomar as negociações quando Israel pôr fim à colonização e reconhecer as fronteiras de 1967”, como base das discussões, acrescentou.

“Estou convencido de que não existe atalho para colocar fim ao conflito que persiste durante décadas. A paz não virá de declarações e resoluções da ONU. Se fosse tão fácil, já teriam um lugar”, declarou Obama na Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York.

Continua após a publicidade
Publicidade