Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Michael Bloomberg anuncia investimento de US$ 242 milhões em energia limpa

O bilionário e ex-prefeito de Nova York financiará programas em 10 países em desenvolvimento, inclusive o Brasil

Por Amanda Péchy 17 Maio 2022, 15h23

Michael Bloomberg, bilionário e ex-prefeito da cidade de Nova York, anunciou nesta terça-feira, 17, um investimento de US$ 242 milhões para promover energia limpa em 10 países em desenvolvimento.

O investimento faz parte de seu esforço, anunciado no ano passado, para encerrar a produção de carvão em 25 países. O projeto é parte de uma campanha de US$ 500 milhões para fechar todas as usinas termoelétricas a carvão nos Estados Unidos.

O dinheiro vai financiar programas em Bangladesh, Colômbia, Quênia, Moçambique, Nigéria, Paquistão, África do Sul, Turquia, Vietnã – e no Brasil. Representantes da Bloomberg Philanthropies disseram que vão trabalhar com governos e empresas locais para desenvolver planos de gastos.

Helen Mountford, presidente e executiva-chefe da ClimateWorks, parceira da Bloomberg Philanthropies, disse ao The New York Times que o dinheiro será direcionado para pesquisa e análise, campanhas de educação pública, programas piloto de energia limpa e compras de usinas de carvão, para então fechá-las.

Caso o programa seja bem sucedido nas dez nações, isso pode demonstrar a outros países que a energia renovável pode ajudar, não atrapalhar, o crescimento econômico, afirmou Bloomberg ao Times.

Continua após a publicidade

Campanhas pelo clima tendem a se concentrar nos países industrializados, responsáveis ​​pela grande maioria das emissões de gases de efeito estufa. Mas muitos países em desenvolvimento têm populações e economias em rápido crescimento, e necessidades energéticas cada vez maiores.

Por isso, chegar a um patamar de emissões líquidas zero vai depender de como essas nações enfrentam a crise climática. O projeto de Bloomberg acredita que não é preciso esperar países em desenvolvimento atingirem o “pico energético” com combustíveis fósseis e usar fontes renováveis a partir de já.

Mais de 750 milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a eletricidade, e a pobreza energética é um poderoso fator de desigualdade econômica e de saúde. Embora o investimento de Bloomberg seja destinado a combater as mudanças climáticas, os envolvidos defendem que os fundos também podem ajudar a lidar as crises ligadas à falta de eletricidade, como escassez de alimentos e assistência médica precária.

Países em desenvolvimento investiram menos de US$ 150 bilhões em energia limpa em 2020, de acordo com um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE). O órgão alertou que, até o final da década, esse financiamento precisaria ultrapassar US$ 1 trilhão por ano para zerar emissões líquidas até 2050.

A ideia de Bloomberg é que uma organização filantrópica, como a dele, assuma o maior risco no início de um projeto ao qual políticos e empresas podem hesitar. Se funcionar, o projeto posteriormente se tornará atraente para investidores convencionais.

No entanto, mesmo que o dinheiro de Bloomberg possa reduzir barreiras financeiras, as barreiras políticas continuam sólidas, com forte oposição da indústria de combustíveis fósseis ao desenvolvimento de energia renovável. O que um financiamento como esse pode fazer é criar bases para uma transição para energia renovável vantajosa financeiramente: aumenta o risco do desenvolvimento de combustíveis fósseis e diminuir o de energia renovável.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)