Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Miami terá de erguer muro com 6 metros de altura para conter tempestades

Uma proposta de construção de barreiras para proteção contra tempestades obrigou o sul da Flórida a considerar os muitos desafios ambientais que enfrentam

Por Da Redação Atualizado em 3 jun 2021, 13h20 - Publicado em 3 jun 2021, 13h17

Em 2018,  depois que o furacão Irma deixou partes de Miami debaixo d’água, o governo dos Estados Unidos iniciou uma série de estudos para encontrar uma maneira de proteger a costa do sul da Flórida dos efeitos do aquecimento global. 

Agora, a conclusão do Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA é sombria: para proteger a região de tempestades cada vez mais poderosas, é necessário erguer um muro de seis metros de altura paralelo à costa.

A dramática proposta de custaria cerca de 6 bilhões de dólares. O paredão cortaria a bela Baía de Biscayne, uma das regiões mais valorizadas de Miami. 

Segundo especialistas, Miami é a área metropolitana dos Estados Unidos mais exposta ao aumento do nível do mar. Isso porque as tempestades são cada vez mais intensas e frequentes, assim como as inundações. A temperatura também aumentou de forma perceptível nos últimos anos.

O problema é que a magnitude dos obstáculos interconectados que a região enfrenta pode parecer esmagadora, e nenhuma das soluções possíveis é barata, fácil ou bonita.

Para seu estudo, o Corpo se concentrou na maré alta das tempestades – a elevação dos mares que muitas vezes inundam a costa – piorada recentemente por furacões mais fortes e níveis do mar mais elevado. Mas essa é apenas uma preocupação.

O sul da Flórida, plano e baixo, fica sobre calcário poroso, o que permite que o oceano se expanda através do solo. Mesmo quando não há tempestade, a elevação do mar contribui para enchentes mais significativas, onde as ruas se enchem de água mesmo em dias de sol. 

A expansão da água salgada ameaça estragar o aquífero subterrâneo que abastece a água potável da região e rachar canos de esgoto e fossas sépticas envelhecidas. Ele deixa menos espaço para a terra absorver o líquido, então as enchentes duram mais tempo, seu escoamento poluindo a baía e matando peixes.

Continua após a publicidade

No final de 2019, os legisladores republicanos, que controlaram a legislatura da Flórida por mais de vinte anos, reconheceram que haviam ignorado a mudança climática por tanto tempo que o estado havia “perdido uma década”. 

Eles começaram a tomar medidas para financiar soluções, direcionando mais de 200 milhões de dólares em impostos, arrecadados em transações imobiliárias, para a elevação do nível do mar e projetos de esgoto. Os legisladores também designaram 500 milhões de dólares em dinheiro de estímulo federal para o fundo.

O preço de tudo o que precisa ser feito, entretanto, está na casa dos bilhões. A estimativa para o condado de Miami-Dade isolar gradualmente cerca de 120.000 fossas sépticas é de cerca de 4 bilhões de dólares, e isso não inclui os milhares de dólares que cada proprietário também teria de pagar.

Outras partes do esboço do plano, que inclui barreiras anti-ondas na foz do Rio Miami e vários outros cursos de água, são mais atraentes: fortificar estações de esgoto e bombeiros e delegacias de polícia para resistir a um esmagamento de água do mar. 

O plantio de alguns manguezais, que podem fornecer uma primeira linha de defesa contra inundações e erosão. O condado de Miami-Dade quer que todas essas partes tenham prioridade.

Os pontos de discórdia permanecem. Entre as casas propostas para serem elevadas ao dinheiro do contribuinte estão mansões multimilionárias à beira-mar – um resultado do mandato do corpo de proteger com eficiência o máximo possível de vidas e propriedades, o que os críticos dizem que inevitavelmente leva a mais proteção para os ricos, cujas propriedades valem  mais.

Paredes internas, algumas baixas, mas outras com até 4 metros de altura, também são parte da proposta, e dividiriam os bairros, deixando as casas voltadas para o mar com menos proteção. 

Mas, quando os governos locais perguntaram ao público como gostariam de lidar com as mudanças climáticas, os residentes preferiram de longe o que é conhecido como infraestrutura verde: proteção costeira em camadas de uma mistura de dunas, ervas marinhas, recifes de coral e manguezais.

Continua após a publicidade
Publicidade