Clique e assine a partir de 9,90/mês

México: López Obrador tem até quinta para decidir se contesta resultado das eleições

Por Yuri Cortez - 9 jul 2012, 16h14

O candidato da esquerda à presidência do México, Andrés Manuel López Obrador, que, segundo os resultados oficiais, perdeu por 3,3 milhões de votos para o hegemônico PRI, reiterou nesta segunda-feira seu rechaço ao resultado, e anunciou que, na próxima quinta-feira, irá determinar ações jurídicas.

“Às 18h de quinta-feira, segundo os termos da lei, iremos tomar uma posição definitiva sobre as eleições presidenciais”, disse o candidato sobre uma eventual impugnação do resultado no Tribunal Eleitoral Federal.

“O certo é que a eleição não foi limpa”, acrescentou, em entrevista coletiva, ao acusar o Instituto Federal Eleitoral de não fazer seu trabalho e não punir a suposta “compra de votos” que teria levado à vitória de Enrique Peña Nieto, do Partido Revolucionário Institucional (PRI).

Segundo a contagem final, Peña Nieto obteve 38,21%; López Obrador, 31,59%; e a candidata do Partido Ação Nacional (PAN, no poder), Josefina Vázquez, 25,41%.

Continua após a publicidade

Ontem, o Partido da Revolução Democrática (PRD), principal da coalizão de esquerda, anunciou que irá impugnar a eleição, mas López Obrador comentou que, “por se tratar de um assunto muito delicado, não podemos nos precipitar”.

O Tribunal Electoral, autoridade responsável por validar a eleição e declarar o novo presidente, está recebendo contestações até a meia-noite de quinta-feira. As queixas devem ser resolvidas até 6 de setembro.

López Obrador e seus colaboradores explicaram que o caminho que poderia seguir uma eventual queixa no Tribunal Eleitoral é o da anulação da eleição devido à suposta compra de 5 milhões de votos que teria sido organizada por governadores do PRI na província.

Muitas das provas reunidas pela coalizão de esquerda provêm de material publicado nas redes sociais, disse o candidato.

Continua após a publicidade

Em 2006, López Obrador foi derrotado por Felipe Calderón, cuja vitória nunca reconheceu, e, durante semanas, milhares de seus seguidores bloquearam uma das principais avenidas da capital mexicana.

Publicidade