Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Merkel vence eleição, e por pouco não faz maioria absoluta

Em vitória histórica dos conservadores, ela chega ao 3º mandato consecutivo. Mas ficou a cinco cadeiras da maioria absoluta e terá que formar nova coalizão

Por Da Redação
23 set 2013, 01h21

Atualizado às 5h07

A chanceler alemã Angela Merkel obteve uma grande vitória pessoal nas eleições legislativas deste domingo.Com 100% das urnas apuradas, seu bloco conservador, formado pela União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã Bávara (CSU), conseguiu 41,5% dos votos – o desempenho eleitoral mais expressivo desde 1990, ano da reunificação alemã. Os números representam um sinal de apoio à sua firme liderança na crise do euro e um crescimento notável de sua popularidade. Na eleição de 2009, o bloco de Merkel teve 33,8%.

Leia também:

Austeridade: a ideia poderosa que dá vida ao capitalismo

Continua após a publicidade

Mas o “super-resultado” deste domingo, como qualificou a primeira-ministra, não foi suficiente para garantir a primeira maioria absoluta no Parlamento alemão em meio século. Foi por um triz: os dois partidos da coligação de Merkel, CDU e CSU, conquistaram 306 cadeiras, ficando a apenas cinco das 311 necessárias à formação da maioria absoluta na Bundestag, a Câmara Baixa do Parlamento, que terá 630 representantes na próxima legislatura – pela legislação alemã, o número de parlamentares varia a cada eleição.

Com isso, não se confirmará a expectativa da premiê governar sozinha, o que não ocorre desde que o primeiro-ministro conservador Konrad Adenauer conseguiu essa façanha em 1957.

Coalizão – Como o partido FDP (Partido dos Democratas Livres), aliado de Merkel no governo atual, não obteve o mínimo de 5% dos votos para ter representação no Parlamento (ficou com 4,8%), a chanceler terá que formar uma nova coalizão.

Continua após a publicidade

Os alvos são os Verdes, que ficaram com 8% dos votos, e o segundo maior partido alemão, o centro-esquerdista Social-Democrata (SPD), liderado pelo ex-ministro das Finanças Peer Steinbrück, que atingiu 26,4% – o segundo pior resultado da legenda desde a Segunda Guerra Mundial. O radical Partido da Esquerda deve se confirmar como a terceira maior força, com cerca de 8,4%. Um novo partido, o anti-euro Alternativa para a Alemanha (AfD), também ficou fora do Parlamento após conquistar só 4,7%.

Merkel comemorou diante de seus partidários: “Este é um super-resultado. Faremos tudo o que pudermos nos próximos quatro anos juntos para torná-los anos de sucesso para a Alemanha”. Se cumprir o mandato pelo menos até 2017, ela se tornará a líder europeia mais longeva no poder, superando Margaret Thatcher, que foi primeira-ministra da Grã-Bretanha por 11 anos. Merkel está no poder desde novembro de 2005.

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.