Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Merkel defende política de refugiados após atentados

A chanceler alemã afirmou ainda que seu país está em "guerra" contra o EI, mas não está "em nenhuma guerra contra o islã"

Por Da redação Atualizado em 28 jul 2016, 18h21 - Publicado em 28 jul 2016, 16h08

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou nesta quinta-feira que os atentados de Wurzburg e Ansbach, cometidos por refugiados, não mudarão a política de acolhimento de refugiados. Em entrevista coletiva, Merkel garantiu que o país conseguirá superar o “teste histórico” que está enfrentando.

“Os terroristas querem minar nosso senso de comunidade, nossa receptividade e nossa vontade de ajudar as pessoas necessitadas. Nós não aceitaremos isso”, disse.

Merkel, que interrompeu suas férias em função da recente onda de atentados na Alemanha, tentou amenizar o medo dos alemães após os ataques registrados no estado da Baviera – na semana passada, um menor refugiado afegão feriu quatro pessoas com um machado e uma faca em um trem perto de Wurzburg, no domingo, e um refugiado sírio de 27 anos detonou uma bomba em Ansbach e deixou 15 feridos. A Baviera tornou-se via de entrada de centenas de milhares de refugiados que chegam à Alemanha a partir do sul da Europa. 

Ambos os ataques foram reivindicados pelo grupo Estado Islâmico (EI). A líder alemã afirmou ainda que a Alemanha está em “guerra” contra o EI, mas não está “em nenhuma guerra contra o islã”.

LEIA MAIS:
Autor de explosão na Alemanha era sírio que teve asilo negado
EI reivindica ataque de jovem afegão em trem da Alemanha
Vídeo mostra momento em que atirador abre fogo em Munique

A chanceler reconheceu que os ataques demonstram que o jihadismo chegou à Alemanha, mas reiterou que os culpados não são os refugiados. Segundo ela, essas pessoas são diferentes de todos os outros que vieram ao país fugindo da perseguição e da guerra. A intenção dos jihadistas, de acordo com a chanceler, é atacar um estilo de vida e uma sociedade aberta, colocar à prova toda a unidade e quebrar o desejo de amparo.

Continua após a publicidade

Merkel apresentou um plano de medidas com várias das iniciativas já implementadas ou anunciadas para, por exemplo, melhorar o registro dos refugiados, agilizar as expulsões daqueles que não tenham direito a asilo ou que sejam criminosos, e possibilitar a intervenção do Exército em caso de alerta terrorista grave.

A chanceler lembrou, no entanto, que é preciso colaboração dos parceiros europeus para lidar com o problema e admitiu sua decepção com a “pouca disposição” de alguns países em compartilhar as responsabilidades diante da crise dos refugiados.

LEIA TAMBÉM:
Merkel: Alemanha está ‘de luto e com o coração pesado’

Após a lamentar a “insegurança generalizada” que foi provocada pelos atentados realizados por refugiados, Merkel ressaltou que a responsabilidade do governo é restaurar a confiança do cidadão e garantiu que fará todo o possível para reforçar a segurança.

Os políticos, destacou, não podem atuar sob medo e devem zelar pelo artigo 1 da Constituição da Alemanha, que garante que a dignidade humana é inviolável, e que respeitá-la e protegê-la é obrigação de todo o poder público do país.

Merkel afirmou que a Alemanha está em “guerra” contra o EI, mas não está “em nenhuma guerra contra o islã”. E descartou ampliar a colaboração do país à coalizão internacional, liderada pelos Estados Unidos, que luta contra o grupo jihadista na Síria e no Iraque.

(Com EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade