Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Merkel defende associação com Rússia, mas pede reformas a Putin

Por Da Redação 5 mar 2012, 10h33

Berlim, 5 mar (EFE).- A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu nesta segunda-feira uma ‘associação estratégica’ da Alemanha e Europa com a Rússia e também pediu reformas a Vladimir Putin um dia após sua vitória nas eleições presidenciais russas.

A modernização da Rússia que elege Putin deve ser acompanhada de ‘uma modernização político-social’, disse nesta segunda-feira Steffen Seibert, porta-voz oficial de Merkel, que se referiu à necessidade de reforçar a democracia e os direitos humanos neste país.

Nesse sentido, o porta-voz criticou que ‘as circunstâncias das eleições, as possibilidades de voto e as próprias campanhas não se ajustaram ao mesmo nível de outros lugares da Europa. Isso é lamentável’.

Além de apontar falhas no processo eleitoral russo, Seibert anunciou que Merkel ligará pessoalmente para cumprimentar Putin, com quem também deve abordar outros temas.

Pouco antes, o ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, anunciou que deseja manter uma cooperação ‘construtiva e de confiança’ com Vladimir Putin.

Westerwelle também ressaltou que a Rússia ‘continua sendo um importante parceiro da Alemanha na Europa’ e, por isso, o Governo de Berlim deseja ‘continuar e aprofundar’ sua aliança estratégica com Moscou.

‘A associação russo-alemã para a modernização social e econômica é de interesse para ambas as partes e mais necessária do que nunca’, destacou o ministro alemão.

Já o presidente do grupo parlamentar da oposição social-democrata (SPD) e ex-titular da pasta das Relações Exteriores, Frank Walter Steinmeier, espera que a escolha de Putin como máximo líder russo seja acompanhada de necessárias reformas democráticas.

Após comentar que a vitória de Putin acompanha a esperança de estabilidade e crescimento dos cidadãos russos, Steinmeier assinalou que ‘seria inteligente se Putin percebesse que seu país mudou e que aumentaram as expectativas de democratização na Rússia’. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade