Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Merkel ameaça Moscou com mais sanções; caminhões russos deixam Ucrânia

Kiev classificou comboio russo como violação da sua soberania e acusa Rússia de utilizar caminhões para contrabandear suprimentos a rebeldes

Por Da Redação 23 ago 2014, 10h01

A chanceler alemã Angela Merkel visita neste sábado a Ucrânia pela primeira vez desde a eclosão da crise no país. Ela pressionou o governo russo a participar das negociações de paz. E afirmou que novas sanções contra a Rússia não podem ser descartadas caso a situação na Ucrânia não melhore. “Não se pode alcançar a paz sozinho. Espero que as negociações com a Rússia levem ao sucesso”, disse Merkel. “Os planos estão na mesa. Agora, as ações devem acontecer”, completou.

Merkel, que tem assumido um papel preponderante na mediação da crise, disse que o principal obstáculo para um cessar-fogo entre as forças da Ucrânia e separatistas pró-russos lutando no leste do país era a falta de controles ao longo da fronteira entre os dois países.

Caminhões de um comboio de ajuda russo que estavam indo para a Ucrânia começaram a retornar a Moscou neste sábado. Pelo menos 67 caminhões entraram na fronteira que passa pela cidade russa de Donetsk antes do meio-dia (horário local). Do lado ucraniano da fronteira, uma fila de caminhões de cerca de 3 quilômetros de comprimento estava esperando para atravessar. O ponto de verificação do lado ucraniano está sendo operado por rebeldes separatistas, que inspecionam os caminhões.

O comboio se dirigiu na sexta para a Ucrânia com destino a Luhansk, uma cidade no leste do país fortemente atingida durante semanas por combates entre as forças ucranianas e rebeldes pró-russos. O governo ucraniano e os países ocidentais denunciaram a medida como uma violação da soberania da Ucrânia e acusaram a Rússia de utilizar o comboio para contrabandear suprimentos e reforços para combatentes rebeldes. A Rússia disse que os caminhões estavam transportando alimentos, água, geradores e sacos de dormir. Jornalistas tiveram permissão para olhar o interior dos caminhões dias atrás e viram esses itens nos veículos. Em um comunicado separado, a Otan disse que há evidência crescente de que as tropas russas estão operando dentro da Ucrânia e lançando ataques de artilharia do solo ucraniano – em um envolvimento mais profundo no conflito que o alegado pelo Ocidente anteriormente. A Rússia também rejeitou a acusação.

É incerto o que o comboio russo entregou efetivamente. Descarregar centenas de caminhões em menos de um dia em uma região maltratada pela guerra representa uma tarefa considerável. Jornalistas da Associated Presse, que acompanhavam o comboio para Luhansk na sexta-feira, disseram que o barulho feito pelos caminhões indicou que eles não foram totalmente carregados.

(Com Estadão Conteúdo e agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade