Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Mergulhadores localizam segunda caixa-preta do avião da AirAsia

Caixa contendo o áudio da cabine está a cerca de 20 metros dos destroços de uma das asas da aeronave que caiu no Mar de Java com 162 pessoas a bordo

Por Da Redação 12 jan 2015, 09h43

Mergulhadores localizaram nesta segunda-feira as duas caixas-pretas do avião da AirAsia que caiu no Mar de Java com 162 pessoas a bordo. Os investigadores resgataram a caixa com os dados do voo na manhã de hoje e, horas mais tarde, os mergulhadores localizaram a segunda caixa-preta, a que contém as gravações de voz da cabine, que está a cerca de 20 metros de distância dos destroços de uma das asas do avião.

Suyadi Bambang Supriyadi, diretor das operações de busca e resgate da Indonésia, disse que pode ser necessário levantar uma das asas da aeronave antes que a segunda caixa-preta seja recuperada. Os investigadores pretendiam transportar a caixa-preta com os dados do avião para um laboratório em Jacarta na noite desta segunda-feira, onde investigadores indonésios e franceses se preparam para analisar os dados.

Leia também

Recuperada uma das caixas-pretas do avião da AirAsia

Equipes de buscas encontram a cauda do avião da AirAsia

Continua após a publicidade

Segundo as autoridades, a caixa-preta parece estar em bom estado, mas será preciso uma inspeção cuidadosa para certificar que ela não sofreu danos significativos. Informações iniciais poderão ser baixadas e analisadas em alguns dias, se não houver complicações. Supriyadi disse que os mergulhadores acreditam ter localizado parte da fuselagem da aeronave, onde podem estar os demais corpos de passageiros de tripulantes.

Se as caixas-pretas não tiverem sofrido danos e os investigadores conseguirem recuperar as informações, os dados mostrarão como os principais sistemas a bordo da aeronave operaram do início do voo até o instante em que a eletricidade foi cortada para a realização das gravações. Também serão revelados que comandos os pilotos acionaram e qual dos pilotos dirigia a aeronave, além das mudanças de velocidade, direção e altitude do avião.

Os mergulhadores dizem que os trabalhos têm sido dificultados porque o fundo do mar está coberto de lama, a visibilidade é baixa e as correntes são muito fortes. Ventos fortes e altas ondas também prejudicam as operações. A permanência dos mergulhadores é limitada a 15 minutos debaixo d’água por causa da pressão.

Tragédia – O voo QZ8501 decolou da cidade de Surabaya, na Ilha de Java e deveria ter aterrissado duas horas depois em Singapura, mas caiu no mar cerca de 40 minutos após sua saída. O piloto solicitou permissão à torre de controle para fazer um desvio à esquerda na rota e subir de 32.000 para 38.000 pés para contornar uma tempestade. A alteração de curso foi aprovada, mas a elevação negada porque outra aeronave trafegava na mesma altitude. Minutos depois, quando os controladores de voo tentaram entrar em contato para informar que o avião da AirAsia estava autorizado a subir até 34.000 pés, não houve resposta. A aeronave já havia sumido dos radares.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade