Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Mereço mais uma chance”, diz brasileiro condenado na Indonésia

Amigo diz que brasileiro 'sempre teve um otimismo muito grande, até exagerado'. A execução está marcada para este sábado

“Estou ciente de que cometi um erro gravíssimo, mas mereço mais uma chance, porque todo mundo erra”. Com essas palavras, o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira fez um pedido por sua vida, dias antes da data marcada para sua execução por fuzilamento na Indonésia. Na gravação, o brasileiro condenado à pena de morte em 2004 depois de ser preso com 13 quilos de cocaína demonstra arrependimento e diz estar passando por um momento difícil. “É um momento muito difícil pra mim. Estou sofrendo. Peço às autoridades que zelem pelo meu caso”.

Leia também:

Em conversa com Dilma, presidente indonésio nega clemência a brasileiro

Anistia Internacional pede que Indonésia não execute brasileiro

Ele afirma que tem o desejo de ensinar os jovens a não cometerem o mesmo erro que ele ao se envolver com drogas. “Meu sonho é sair daqui, voltar para o Brasil e expor meu problema para os jovens que estão pensando em se envolver com drogas (…) Quero voltar para o meu país, pedir perdão a toda a minha nação e ensinar para os jovens que a droga só leva a dois caminhos: ou a prisão ou à morte”.

O brasileiro afirma manter as esperanças de que “sua estrela vai brilhar mais uma vez”. “Vou lutar até o fim. Porque a minha vida não pode acabar dessa maneira dramática, eu sendo fuzilado aqui na indonésia”.

‘Otimismo muito grande’ – O depoimento, gravado na terça-feira, foi publicado na internet pelo cineasta Marcos Prado, que está fazendo um documentário sobre a história. Em entrevista ao site de VEJA, o cineasta contou que o brasileiro “tinha muita esperança em conseguir o perdão”. “Ele sempre teve um otimismo muito grande, até exagerado, costumava dizer que tinha sete vidas e que ia sobreviver a mais essa, assim como nas vezes anteriores em que esteve à beira da morte nos acidentes que sofreu voando de asa delta”.

A execução de Moreira está marcada para a tarde deste sábado, pelo horário de Brasília. Nesta sexta, o Itamaraty informou que o presidente indonésio, Joko Widodo, negou um pedido de clemência feito por Dilma Rousseff.

Widodo assumiu a presidência em outubro e implantou uma política de tolerância zero para traficantes, prometendo executar os condenados por esse tipo de crime. Ele tem apoio da população, amplamente favorável à pena de morte.

(Com reportagem de Mariana Zylberkan)