Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Menino muçulmano é espancado na escola nos EUA e pai culpa Trump

Abdul Aziz, de 7 anos, recebeu socos e chutes dos colegas de escola, que gritavam ofensas sobre sua religião

Por Da redação 13 out 2016, 11h55

Um menino muçulmano de 7 anos, residente nos Estados Unidos, foi espancado por seus colegas em um ônibus escolar, na cidade de Cary, Carolina do Norte, na última sexta-feira. O incidente foi relatado no Facebook por seu pai, Zeeshan-ul-hassan Usmani, que culpou a retórica preconceituosa do republicano Donald Trump pelo episódio de violência contra seu filho.

“Bem-vindos aos Estados Unidos de Donald Trump”, escreveu Usmani, junto a uma foto do pequeno Abdul Aziz, com um braço engessado. “Ele está na primeira série, sofreu bullying e foi espancado por seus colegas de escola por ser muçulmano”, afirmou. Em entrevista ao site BuzzFeed News, Usmani comentou que as outras crianças gritavam ofensas raciais, enquanto chutavam e davam socos no menino.

O caso foi o mais recente após dezenas de episódios de preconceito contra a família de paquistaneses, que decidiu voltar para o seu país de origem. Os colegas de Abdul já haviam tentado forçá-lo a comer depois de descobrirem que ele apenas consumia alimentos halal, preparados segundo regras da lei islâmica. Seu irmão também foi chamado de terrorista na vizinhança.

Leia também:
Mulher muçulmana posa de hijab para a Playboy americana
Homem tenta botar fogo em muçulmana que fazia compras nos EUA
Após vídeo machista, campanha de Trump sofre debandada

Para Usmani, a violência e o preconceito religioso contra sua família tomaram grandes proporções nos últimos meses por incentivo das declarações de Trump sobre muçulmanos. “Todos esses eventos, por parte de vizinhos e outros, dispararam desde o início da campanha presidencial”, disse ao BuzzFeed News. “Os tempos estão mudando e esta não é a América em que sempre pensamos e acreditamos”, afirmou.

Imediatamente após Abdul retornar machucado da escola, Usmani comprou passagens de avião para ele, sua esposa e os três filhos. Eles devem permanecer no Paquistão pelo menos até as eleições presidenciais americanas, em 8 de novembro. Segundo o BuzzFeed, Usmani trabalha como chefe de tecnologia em uma empresa do Vale do Silício, que desenvolve softwares para ajudar no combate ao terrorismo no Oriente Médio.

O sistema de escolas públicas do condado de Wake afirmou que abriu uma investigação sobre o caso de Abdul Aziz e que, até o momento, alguns estudantes entrevistados não confirmaram a história. O diretor da Escola Elementar Weatherstone não conseguiu contatar a família.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)